Como detectar os problemas internos da decadência do louvor

Como detectar os problemas internos da decadência do louvor

Atualizado: Quarta-feira, 15 Fevereiro de 2006 as 12

Como detectar os problemas internos da decadência do louvor Dê ao Senhor o seu melhor! Detecte os problemas e mude!! Abraão Lincoln

[email protected]

Existem três causas internas que estão diretamente associadas a decadência do louvor. São elas:

Administrativa;Diferentes métodos de escolha para o Ministério da Palavra e incompetência musical evangélica .

  Causa  Administrativa

A administração da Assembléia de Deus é regional (campo ministerial) ou setorial  

Quando o obreiro possui formação musical suficiente, talvez as influências externas em sua igreja não sejam significativas. Mas no âmbito geral, a grande maioria dos obreiros não tem formação musical adequada nem suficiente porque não se ocupam disto; suas ocupações são de natureza pastoral, não musical, deixando essas últimas por conta de quem estiver a frete de cada atividade musical. E é aqui, precisamente neste ponto, que os vírus musicais têm encontrado um meio de cultura favorável: Líderes, à frente de diferentes grupos musicais, têm-se sentido à vontade para executar antes ou após o culto, música de cinema, de teatro e músicas clássicas diversas adaptadas com letras bíblicas, como se tais coisas fossem louvor oferecido ao Senhor. Na medida em que se constata a execução de músicas profanas dentro da igreja, a casa de oração, este fato evidencia que o louvor ao Senhor, naquele local, está em decadência. A propósito, o Pastor David Wilkerson, em seu livro "TROCA A TROMBETA EM SIÃO", capítulo 4 " A MÚSICA DO DIABO NA CASA DO SENHOR -  fala-nos a este respeito.

Se o obreiro não pode ou não quer tratar diretamente dos assuntos musicais em sua igreja, então deve orar ao Senhor a este respeito, pedindo-lhe orientação para estabelecer um músico capaz técnica e espiritualmente à frente de cada atividade musical na igreja sob seus cuidados; senão, crie-se a área de louvor sob a supervisão de um membro do ministério, que seja músico subordinado ao pastor da igreja, e viva no Espírito de Deus.

Por outro lado, para contornar esta necessidade, as escolas teológicas incluem em seu currículo noções elementares de teoria musical, talvez o suficiente para orientar o cântico durante os cultos. Porém os problemas musicais atualmente não são elementares, são avançados, requerendo conhecimentos musicais aprofundados técnica e espiritualmente.

2ª Causa: Diferentes Métodos de Escolha Para O Ministério da Palavra.  

Em primeiro lugar, deve ficar bem claro queQuem dá ministério é Deus. Esta afirmação já me fez perder a amizade e a companhia de obreiro que não entendia o significado de "ministério".

Leiamos a carta Aos Efésios 4:7/13.

"Mas a graça foi dada a cada um de nós segundo a medida dom de Cristo. Pelo que diz: Subindo ao alto, levou cativo ao cativeiro e deu dons aos homens. Ora, isto " ele subiu - que é,  senão que também havia descido  às partes mais baixas da terra" Aquele que desceu é também o mesmo que subiu acima de todos os céus, para cumprir todas as coisas. E Ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do Corpo de Cristo." " Aos Efésios 4:7/13.

A causa da decadência em análise - "Diferentes Métodos de Escolha Para O Ministério da Palavra" - não reside nos dons que Cristo Jesus deu a Sua Igreja, mas nos diferentes métodos adotados por parte de lideranças para identificação da existência desses dons em seus cooperadores; senão, a causa reside na completa ignorância do método bíblico.

Quem recebeu de Cristo Jesus um dom ministerial tem plena consciência do recebimento e de sua chamada pessoal. Quanto ao seu reconhecimento ou ordenação por parte das lideranças da igreja, isto vai depender dos métodos aplicados por elas. Contudo, ninguém deve se preocupar com isto, pois quaisquer que sejam os métodos aplicados, esses não alterarão nem anularão o dom que Cristo concedeu a seus servos, pois quem dá ministério é Deus. Portanto, cursos teológicos, institutos bíblicos ou até mesmo faculdades de teologia, mestrado ou doutorado não são suficientes nem qualificam ninguém para o real exercício do Ministério da Palavra de Deus, pois as Escrituras Sagradas não devem ser tratadas como português, geografia ou qualquer outra ciência humana em que o bacharel tem o direito de exercer sua reconhecida profissão; para ser ministro de Deus é preciso ser chamado por Deus.  

"E ninguém toma para si esta honra, senão o que é chamado por Deus, como Arão".  " Aos Hebreus 5:4.

As tristes conseqüências de apoderar-se desta honra ficaram patentes no caso de Coré, Datã e Abirão " Números 16 " os quais não foram chamados por Deus. 

Exemplos de chamada de Deus:

Arão: êxodo 4:27/30. Samuel: I Samuel 3:10 Paulo e Barnabé: Atos 13:2 Pergunta paralela: Parentes podem ser separados para o ministério (Êxodo 4:14)" " Resposta: -Se Deus os chamar, sim, caso contrário, não. Mas, se alguém ainda se recusa a aceitar esta afirmação: "Quem dá ministério é Deus",  para seu próprio bem lhe aconselho ouvir atentamente esta exposição, conferindo-a com as Escrituras Sagradas. Além disto, sugiro a leitura do livro "A INVASÃO SECRETA", de Hans Kristian e Dave Hunt, Editora Vida " 1990, capítulo 11, página 118, sob o título "Pastores, Lobos e Ovelhas", onde encontrará um depoimento acerca da existência de pastores comunistas à frente de igrejas evangélicas na extinta União Soviética, os quais eram agentes comunistas formados em teologia.

Para nos situarmos bem com relação a ministério, convém estabelecer aqui parâmetros claros com base na Bíblia. O termo é aplicado a pastores e mestres:

"Pois quem é Paulo, e quem é Apolo, senão ministros pelos quais crestes, e conforme o que o Senhor deu a cada um"" " I Aos Coríntios 3:5.

O mesmo termo também é aplicado a Nosso Senhor Jesus Cristo, que veio a este mundo não para ser servido, mas para servir, isto é, ser ministro de Deus:

"Bem como o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir, e para dar a Sua vida em resgate de muitos". " S. Mateus 20:28.

"Então disse Jesus aos doze: Quereis vós também vos retirar" Respondeu-lhe pois Simão Pedro: Senhor, para quem iremos nós" Tu tens a palavra de vida eterna; e nós temos crido e conhecido que tu és o Cristo, o Filho de Deus. Respondeu-lhes Jesus: Não vos escolhi a vós, os doze" E um de vós é um diabo". " S. João 6:67/70.

Por outro lado, este método que necessariamente requer tempo, favorece também os cooperadores na medida em que podem observar a liderança durante o período de aprendizado, possibilitando-lhes tirar suas próprias conclusões a respeito dela, como o fizeram os discípulos a respeito Jesus:

"E o verbo se fez carne, e habitou entre nós e vimos a sua glória como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade. João testificou dele, e declarou, dizendo:"Este era aquele de quem eu dizia: O que vem depois de mim é antes de mim, porque foi primeiro do que eu"; e todos nós recebemos também da sua plenitude, e graça por graça". " S. João 1:14/16.

De acordo com este princípio, o apóstolo Paulo, na carta Aos Coríntios, escreveu:

"Sede meus imitadores. Como também eu de Cristo". " Aos Coríntios 11:1.

A propósito, o ouvinte de raciocínio mais apurado poderia neste momento estar-se perguntando: Até que ponto devemos imitar os nossos líderes" A resposta é: Os líderes deverão ser imitados enquanto se conduzirem com honra e integridade. A intenção de Paulo era dizer: "Sede meus imitadores, assim como também eu sou imitador de Cristo". Portanto, se os líderes deixarem de seguir a Cristo, então não deverão ser imitados por ninguém.

O ministério da Palavra, havia um histórico de cada cooperador que sustentava a sua aprovação, de modo que os riscos de desvio da  doutrina ou falta de recursos divinos para provisão da Igreja de Deus eram assim minimizados.

Quaisquer que sejam os outros métodos de ordenação ao ministério, não convém comentá-los aqui, já que o propósito desta exposição é orientativo, e não crítico. Mas é justamente nos outros métodos, diferentes deste, que a causa da decadência se verifica devido à falta de requisitos necessários à obra de Deus. Os escolhidos assim, com deficiências, uma vez no púlpito, buscam suprir suas deficiências de alguma maneira, apelando por exemplo, para  mais música durante os cultos, tudo somado a próxima causa abre-se então a porta principal do templo para o acesso de toda bagagem musical profana, estabelecendo-se a decadência que aos poucos irá corrompendo o caráter dos crentes, alterando-lhes o modo de pensar e transformando a casa de oração em um recinto onde não se ora nem se louva a Deus.

É verdade que Paulo escrevendo aos coríntios disse:

"Porque, sendo livre para com todos, fiz-me servo de todos para ganhar ainda mais. E fiz-me como judeu para os judeus, para ganhar os judeus; para os que estão debaixo da lei, como se estivera debaixo da lei, para ganhar os que estão debaixo da lei; para os que estão sem lei, como se estivera sem lei (não estando sem lei para com Deus, mas debaixo da lei de Cristo); fiz-me como fraco para os fracos, para ganhar os fracos. Fiz-me tudo para todos, para por todos os meios chegar a ganhar alguns. E faço isto por causa do evangelho, para ser também participante dele".- I Aos Coríntios 9:19/23

Todavia, com estas transformações Paulo buscava a transformação dos outros sem pretender modificar o evangelho que pregava, nem tampouco o ambiente da Igreja de Deus a qual pertencia.

3ª Causa: Incompetência musical evangélica.

A conjugação de uma das causas anteriores (principalmente a dos métodos) com a incompetência musical evangélica, é a expressão maior da DECADÊNCIA DO LOUVOR E A EXPANSÃO DO MERCADO GOSPEL.

 Para boa ordem, entenda-se por incompetência musical evangélica a falta de capacidade musical apropriada ao meio evangélico e consoante às Escrituras Sagradas.

Devido à natureza mundana em que estão inseridas as escolas de música, nem tudo o que nelas é ensinado deve ser aplicado a Igreja de Deus. A Igreja de Deus é santa, separada para Deus. Sendo assim, tudo o que não for de natureza técnica deve ser examinado com muita atenção, a fim de não se introduzir na igreja elementos de cultura musical nocivos, sob qualquer pretexto. Ex.: Coreografia.

Se estamos no mundo, mas do mundo nós não somos, conforme está escrito em S.João 17:11/16, como podemos lançar mão de músicas e ritmos mundanos e utiliza-las para louvar a Deus" Alguma coisa está muito errada nesta área; e não é outra coisa senão o procedimento incorreto, tanto de músicos como de lideranças evangélicas.

No que se refere à realização dos cultos a Deus, dos quais naturalmente faz parte o louvor, é importante ressaltar que do ponto de vista geométrico, a direção do culto é vertical, isto é, para cima; e o sentido do culto é subindo de baixo para cima, isto é, dos homens para Deus.

Para ser mais objetivo nesta colocação, observe as indicações simbólicas incorretas:

"Do ponto de vista geométrico a direção do culto é vertical e o sentido do culto é dos homens para Deus".

Percebeu a incorreção"

Confirmando este raciocínio, em S. João 8:23, está escrito exatamente assim:

"Vós sois de baixo; eu sou de cima".

Deus e os homens estão em planos geométricos completamente diferentes: Deus está nos céus, que são lá em cima; e os homens estão na Terra, que está cá, em baixo.

Portanto, a direção do culto tem que ser vertical, para Deus que está em cima; e o sentido do culto tem que ser de baixo para cima, isto é, dos homens para Deus. Se esta orientação não for observada pela liderança do culto, a reunião não se identificará com o culto a Deus, propriamente dito, mas sim com um "show" que é horizontal (&O1663;&O1664;), de homem para homem, para agradar aos homens, não a Deus. É doloroso reconhecer a existência de líderes evangélicos modernistas, também denominados neo-evangélicos, que por falta de conhecimento de Deus passaram a fazer esta última opção, procurando distrair ao público em que há pessoas realmente interessadas em Deus e na exposição da Sua Palavra pregada.

Dentre as várias razões que explicam a opção dos neo-evangélicos encontra-se a falta de mensagem de Deus para o povo; eles não têm mensagem de Deus, apenas um discurso teológico de base intelectual. E para ocultarem a própria deficiência, que poderia ser amplamente suprida por Deus se estivessem interessados, introduzem o "biombo do louvor" com muitas músicas que mexem com o corpo, mas não comovem a alma; e a celebração dos cantores que cantam, mas não levam o povo a glorificar a Deus.

Abraão Lincoln  é pianista atuante. Atua como pianista correpetidor em diversos coros. Leciona e em diversas escolas e categorias musicais. É Bacharel em Música Sacra com especialização em piano pela FAC. Teológica Batista e FAC FITO.

veja também