Damares: 'Cantar para fazer a diferença é que está difícil'

Damares: 'Cantar para fazer a diferença é que está difícil'

Atualizado: Sexta-feira, 8 Abril de 2011 as 3:19

Damares está em divulgação de seu mais recente trabalho, o CD Diamante, primeiro pela Sony Music.

No final de março a cantora esteve na AD Bom Retiro, em São Paulo e ministrou em culto com a igreja lotada. Na oportunidade, Damares falou com exclusividade ao GUIA-ME sobre a oportunidade de ter o ministério amparado por uma gravadora multinacional e de ver o cumprimento das promessas de Deus em sua vida pessoal e ministerial.

Confira a entrevista de Damares na íntegra:

GUIA-ME: Seu primeiro CD pela Sony já é Disco de Platina. Qual a emoção de chegar em uma gravadora alcançando tão altos números de vendas?

Ah, é uma emoção muito grande esse tempo maravilhoso de Deus que eu tenho vivido, de voar vôos mais altos, desfrutar o melhor de Deus em minha vida, momento único de dimensão espiritual e ministerial, degrau por degrau chegando aonde Deus quer. Estou muito feliz na Sony. Deus falou comigo que antes de eu entrar na Sony, Ele tinha algo grande para colocar nas minhas mãos, algo internacional. Eu não imaginaria que iria entrar em uma gravadora multinacional e a Sony é algo muito especial de Deus em minha vida. Veio para fazer a diferença e tem me proporcionado coisas maravilhosas com apoio, respeito, oração, profissionalismo. Estou muito realizada na Sony e o CD Diamante está mostrando isso.

GUIA-ME: Acredita que pela Sony você vai conseguir alcançar ainda mais pessoas com suas canções?

Com certeza. Deus precisava me colocar em uma gravadora forte como a Sony Music pra que pudesse dar andamento ao projeto que Ele tem para fazer na minha vida, e isso já está se comprovando. Sei que Deus fará coisas muito maiores porque Ele falou isso e Ele estava querendo dizer que vou chegar a lugares que meu ministério ainda não chegou.

GUIA-ME: Recentemente gravou seu primeiro clipe ‘Um Novo Vencedor’ e o público parece ter gostado do resultado. Ficou melhor do que você esperava? E como foi a experiência de produzir o primeiro clipe da carreira?

Ah, foi maravilhoso. Experiência melhor impossível. Uma superprodução. Todo mundo, realmente, está falando coisas boas. Caiu nas graças do povo e pessoas estão sendo edificadas, renovadas, abençoadas através do clipe que está um sucesso na internet. Todo mundo está falando ‘nossa, se o primeiro clipe está desse jeito imagine os outros’.

GUIA-ME: Você tem vários CDs, um DVD, além de importantes marcas e prêmios na carreira. Sabia desde o começo que seu ministério iria tão longe ou nem imaginava?

Minha vida e ministério são baseados nas promessas de Deus. Estou firme e de pé até hoje conquistando esses projetos porque um dia eu recebi chamado de Deus (...) Deus prometia para mim, mas as circunstâncias ao meu redor diziam ‘não’, mas quando Deus escolhe, Ele capacita. Ele não chama os capacitados, Ele capacita os escolhidos. Eu nunca imaginaria chegar aonde cheguei. Não comecei cantando por status, por fama ou sonhando em chegar a algum lugar, comecei por amor mesmo, por prazer em cantar e adorar ao Senhor independente de qualquer coisa e Deus achou graça e resolveu fazer; eu só tenho que adorá-lo por tudo o que tem feito e por todas as promessas cumpridas. Deus é maravilhoso!

GUIA-ME: O CD Diamante tem algum diferencial dos demais?

Tem. Na verdade o CD Diamante veio em um momento de mudança radical no meu ministério, e quando eu gravei o CD anterior, Apocalipse, eu estava tranqüila, sossegada, sem cobrança porque a gente não imaginava que ia ser um CD tão forte com aquela repercussão tremenda, então, no momento de gravar o próximo CD veio um peso muito grande de responsabilidade para os meus ombros, e você não tem noção da pressão e da cobrança do povo e até eu mesma, que sou exigente e perfeccionista, queria fazer o melhor, e o crescimento do meu ministério fez com que isso acontecesse (...) eu fui orar, pedir ao Senhor que me direcionasse, queria fazer algo que não fugisse das minhas raízes, meu estilo pentecostal que conquistou as pessoas, que lembrasse a Damares do CD Apocalipse, mas que também trouxesse alguma coisa inovadora e acho que eu consegui trazer isso e o CD, graças a Deus, teve uma aceitação muito grande.

GUIA-ME: A unção é muito importante para o músico gospel, mas a técnica vocal não pode ser esquecida. Como você trabalha para exercitar as duas?

É um conjunto de coisas. Eu acredito no seguinte, se um cantor cantar bonito e não tiver a unção de Deus, não faz a diferença, os sinais de Deus não acompanham, as pessoas não sentem nem recebem nada. Cantar sem unção não vale a pena. O meio secular está cheio de gente que canta bonito, mas cantar para fazer a diferença é que está difícil. E se você tiver a unção de Deus no seu cantar e no seu expressar, mas não cantar bem e fizer relaxadamente, cantando de qualquer jeito e errando tudo, Deus não tem prazer também. As coisas têm que andar juntas. Você tem que ser profissional usando a técnica, a bagagem e a experiência que tem, mas não pode esquecer que precisa da unção de Deus, pois sem ela você não é nada e não fará efeito na vida de ninguém. Primeiro vem a unção de Deus e depois você corre atrás para fazer direito e buscar de Deus o aperfeiçoamento.

GUIA-ME: Você gravou participação no Programa da Eliana. Como foi a experiência e como você avalia essa abertura cada vez maior para a música gospel na televisão brasileira?

Fiquei lisonjeada com o privilégio de ter ido lá, que é exatamente a promessa de Deus na minha vida - de que eu pisaria em lugares que eu nunca imaginei pisar, que Ele usaria minha voz de forma estrondosa e minha voz chegaria a lugares que eu não pudesse chegar. Vi isso como um presente de Deus para mim, como se Ele estivesse mostrando ‘aí, minha filha, a minha fidelidade para contigo’, para eu lembrar de onde Ele me tirou e aonde tem me colocado. Busquei ser eu mesma ali, não forjei um personagem. Me emocionei antes do programa e durante também. Fiquei nervosa porque pesa estar representando ali o evangelho de Deus e por ser pentecostal também, pois ao chegar nesses lugares eu sei que existe muito preconceito.

A música gospel tem conquistado um espaço muito grande e as pessoas têm visto que ela não é brega, não é feita de qualquer jeito, não é desvalorizada e que muitas vezes é muito melhor - em arranjo e produção - do que o secular. Enfim, as pessoas estão vendo que é coisa boa, que faz a diferença, que alegra o coração, que edifica a vida, que cura o necessitado, que levanta do fundo do poço, que traz esperança para o coração.

Por Juliana Simioni

veja também