David Quinlan revela que sofreu perseguição religiosa quando chegou ao Brasil

O cantor conta que aos 5 anos se deparou com um homem apontando uma arma para seu pai, por causa da fé cristã.

fonte: Guiame

Atualizado: Quinta-feira, 21 Setembro de 2017 as 4:35

O cantor David Quinlan veio para o Brasil pela primeira vez aos cinco anos. Ele e sua família enfrentaram perseguição religiosa na época. O artista deu mais detalhes sobre o fato no primeiro episódio de um documentário produzido pela plataforma de streaming digital Deezer, o “Deezer Legends”.

“Filho de missionários, nascido em Belfast, que é a capital da Irlanda do Norte, vim para o Brasil pela primeira vez quando eu tinha cinco anos de idade e fui criado tanto aqui quanto na inglaterra, na Irlanda. Obviamente a gente sentia um pouquinho de diferença. Naquela época o fato de você ser evangélico era uma coisa muito louca. Eu estava vindo de outro país”, contou.

“A gente passou por momentos muito difíceis, de realmente perseguição. Eu lembro que estava procurando o meu pai para tomar café e houve um tumulto do lado de fora da minha casa e saí para ver o que estava acontecendo. Eu era pequenininho, tinha uns cinco, seis anos de idade. Tinha uma pessoa com uma arma apontada para a cabeça do meu pai, estava dizendo: ‘Eu fui enviado aqui para poder tirar a sua vida porque a gente não concorda com você trazendo essa religião nova’”, relatou David.

“A coisa mudou muito, quando a gente chegou no Brasil era esse tipo de coisa que a gente vivia e experimentava”, ressaltou.

Mudanças

“Fui para Taiwan, fiquei um ano lá e participei de música. Mas, quando voltei para o Brasil conheci um casal de missionários americanos e eles foram pessoas incríveis, Dan e Marti Duke”, colocou o cantor. Bebel, sua esposa, confirma: “Eu diria que a nossa escola veio daí. Ela vem da escola com o Dan e a Marti. Foram aqueles que nos empurraram para isso, nos ensinaram”, pontuou.

David Quinlan construiu sua carreira no Brasil com canções de extrema adoração. Um dos discos mais conhecidos é o “Fogo e Glória Curitiba”, além do CD “Águas Profundas”. Para o documentário, o cantor regravou a canção “Abraça-me”, que já está disponível na plataforma digital. Para ouvir, clique no player abaixo.

veja também