"Deus é que tem que ser engrandecido", afirma PG

"Deus é que tem que ser engrandecido", afirma PG

Atualizado: Sexta-feira, 4 Fevereiro de 2011 as 10:54

No dia 27 de setembro, o cantor PG esteve em Goiânia para a Conferência De Volta Para o Lar, realizada pelo pastor Hernane Santos. Na ocasião, a equipe do JovemX.com teve a oportunidade de entrevistar o cantor. Confira a entrevista:

JovemX: Boa noite

PG: Boa noite

JX: PG, como foi a produção do novo disco "A Conquista"?

PG: A produção aconteceu entre agosto... A produção na verdade começou desde fevereiro do ano passado, junto com o meu produtor, o Leandro. Eu sentei com ele, mostrei as minhas músicas, as idéias... Eu gosto de participar de toda a produção do CD, estou em todas as áreas. Aí a gente sentou e começou a ver qual seria a proposta do CD. Eu passei pra ele a idéia. Todo o lance da "conquista", toda a parte do CD que eu já tinha em mente. Como que iria realizar, eu não sei. Para isso nós temos profissionais capacitados. E as pessoas foram tirando do papel e, automaticamente, as músicas vieram de acordo com essas idéias. E aí, se não me engano, em maio ou junho, a gente começou a pré-produção, e em agosto a gente começou a gravar. Primeiro foram as baterias e logo tudo mais. Terminamos em dezembro. O CD ficou pronto em janeiro. Saiu em fevereiro. A gente está aí com seis meses de vida, indo para o sétimo mês. Recém-nascido ainda. Mas, está sendo uma grande benção. A gente gravou em SP. Uma parte do CD no estúdio YB, e a outra parte do CD a gente fez no Cool Cut. São dois estúdios diferentes. A gente colocou o que tinha de melhor para nossa produção, os melhores equipamentos. Foi muito bom. Pessoas muito legais trabalhando. Todas muito capacitadas, mas de um coração e de uma simplicidade muito boa. Foi muito bom gravar esse CD. Foi uma comunhão gostosa demais. E resultou nesse trabalho que era o que queríamos mostrar, que é a verdadeira conquista que foi pregada hoje: salvação não se conquista apenas levantando a mão, se conquista com atitudes diárias para a eternidade. E esse é o propósito do CD "A Conquista". E por isso tem esse nome. Porque, até o último dia você está plantando a semente para colher o fruto na eternidade.

JX: Como tem sido a recepção do CD pelo público, em geral? Vocês estão em turnê...

PG: Muito boa! Cada lugar é diferente, né. É até meio redundante... Mas, assim, tem cidades a que vamos e que as músicas já estão tocando há mais tempo. Por mais que a gente tenha Internet hoje, mas ainda naquelas cidades, quando a gente vai a cidades do interior, as músicas ainda demoram um pouco para chegar. Então, por exemplo, o CD “Eu Sou Livre”, que é o anterior, tem lugares a que chegou agora, há seis, sete meses. Sendo que o CD já tem dois anos e meio. Mas, no nosso meio a divulgação ainda demora um pouco. Então, as pessoas ainda estão se acostumando com "Meu Universo", "Eu vou passar pela cruz", "Quem sou eu?", e tal. E agora que, em alguns lugares, as coisas têm tomado uma proporção maior. Mas, nas principais capitais, de São Paulo, Rio, Minas... E até aqui mesmo em Goiânia, tem tocado a música "Como a brisa" muito. Então está se expandindo. Ma, eu acho que até o final do ano, para o começo do ano que vem, vai ser o start geral, sabe. Aquela explosão em que o Brasil todo vai conhecer, que a gente vai viajando, fazendo a turnê e o pessoal vai conhecendo as músicas também do novo CD. E eu acho que isto está ajudando muito. Mas, a receptividade está muito boa. Está vendendo bem. Mas, fora isso, o grande compromisso nosso é mostrar aquela verdade que a gente veio cantar no CD, que eu acho que é muito forte. Em minha opinião é o CD mais forte, em relação à produção de letras, de todos os outros que eu já fiz. Todos têm uma proposta, mas esse é muito direto, em relação àquilo que a gente acabou de ouvir e ministrar hoje sobre arrebatamento, sobre a volta de Jesus, sobre ir ao céu, sobre estar com o Senhor aqui na Terra; ele é a cutucada na ferida, mesmo.

JX: Como que você acha que essa mensagem que vocês levam a todas as cidades, com as suas músicas, chega? Você tem certeza desse propósito na sua vida, desse ministério que é levado e de que a mensagem é passada através das suas músicas e seus álbuns?

PG: Tenho. Não tenho dúvida nenhuma. Até porque, Deus me escolheu, me capacitou. E a obra é dEle, o propósito é dEle. Eu vejo a cada dia, em cada ministração. Hoje nós vimos aqui. Tudo é uma soma. A palavra do pastor e a nossa ministração, tudo se junta. E quem ganha é o Reino. Porque Ele tem que descer, Ele é que tem que ser engrandecido... o Reino de Deus. E a gente vê isso. Então, para mim, mesmo que tocássemos para duas, três pessoas, ou para mil pessoas, ou para 10 mil pessoas, como já aconteceu várias vezes de tocar para muito pouco, de tocar para muita gente, o nosso termômetro não está na quantidade, está naquilo que Deus confia a nós e naquilo que Ele confia a Palavra dEle. Então, isso, para a gente, faz a diferença. E nós temos visto isso, sabe. Em nosso ministério, na caminhada. Então, eu acho que isso é o tempo; o tempo vai mostrar e provar a verdade do Evangelho em nossas vidas.

JX: Como última pergunta, é algo mais atual, sobre as eleições. Como você acha que o cristão, enquanto seguidor de Cristo, deve se posicionar? Independente de candidato. Qual a postura que o cristão deve ter?

PG: O cristão precisa conhecer política. Eu acho que, infelizmente, muitos cristãos entram na política apenas para ganhar cargos políticos, para ganhar promoções eleitoreiras. Muitas vezes, muitas igrejas, infelizmente, se vendem. Dizem que não, mas nos bastidores se vendem por valores para a sua placa, para a sua ideologia. Mas, a nossa ideologia é a Palavra de Deus. Então, acho que a gente precisa conhecer a Bíblia acima de tudo. E, dentro da Palavra de Deus, precisamos saber escolher as nossas autoridades. Porque nós colocamos elas ali. Por mais que, às vezes, o candidato que a gente vote não ganhe. Mas, você precisa ter coragem para fazer aquilo que é certo em sua opinião. Você precisa conhecer política, conhecer as propostas, correr atrás, não vender o seu voto por um prato de comida. Porque depois serão anos e anos de destruição se você fizer a coisa errada. Então, a gente precisa conhecer o candidato. Saber sim. Saber os bastidores da política, sim. Dos candidatos. Porque eles só mostram as belezas do que acontece, na televisão. As pessoas tentam mostrar, mas muitas vezes a gente só se encanta com aquilo que é bonito na frente, mas ninguém se preocupa com o interior. É muito fácil vir aqui e vestir uma roupa bonita. Mas, por dentro se você estiver com um tumor, um câncer, você precisa saber e diagnosticar a pessoa, você precisa levar ela até o médico. E é assim: você precisa levar o seu candidato até o médico e saber, não só por fora, mas por dentro o que ele representa, o que ele pode fazer por você. Então, vote consciente. Conheça um pouco de política. Não quer dizer que você tem que ser político, mas você precisa conhecer um pouco de política. Saber o que a política faz por você no seu país. Não apenas: "esse político é crente, vai ser bom", ou "aquele lá não é crente, vai ser ruim", ou vice-versa "aquele não é crente, mas vai ser bom porque ele gosta da igreja". Você tem que votar em um político, mas também sabendo o que ele pode fazer e o que ele não pode fazer para, automaticamente, fazer o corpo de Cristo crescer. E esse é o nosso propósito.

JX: Deixe uma mensagem para o pessoal do JovemX, porque todo mundo lá te curte bastante.

PG: Um abraço para o pessoal do JovemX. A gente está sempre junto lá no Twitter. É uma grande benção estar junto com vocês. Estamos sempre retuitando mensagens que vocês passam. E eu fico feliz e espero que vocês possam continuar pregando esse evangelho através da mídia. Que Deus abençoe todos vocês.

JX: A gente agradece e volte mais vezes!

PG: Amém! Voltaremos.

JX: Amém

Por Juliana Marton

veja também