Diálogo entre a teologia e a MPB

Diálogo entre a teologia e a MPB

Atualizado: Quarta-feira, 12 Junho de 2013 as 12:50

música“O teólogo alemão Paul Tillich representa um dos grandes nomes do pensamento moderno.”… Uma de suas contribuições mais relevantes foi o desenvolvimento da Teologia da Cultura, que possibilitaria um diálogo entre Teologia e Cultura Geral. Tillich percebeu que as produções culturais revelavam um anseio e questionamento humano frente ao verdadeiro sentido da existência. Esses anseios também poderiam ser caracterizados como religiosos, pois estão relacionados à busca da origem de tudo, o sentido último da realidade. Esta característica “aproxima” a cultura do espírito religioso, visto que a religião em Tillich é o estado do ser humano quando tocado pelo anseio de compreender o sentido de sua própria existência. Em outras palavras, a cultura é substancialmente religiosa pelo fato de possuir em seu fundamento uma preocupação última assim como a religião.
 
Partindo desse pressuposto, a idéia de uma Teologia da Cultura passa a ser possível, visto que o campo hermenêutico não está mais restrito a religião ou a manifestações exclusivamente religiosas, mas é ampliado a qualquer manifestação humana legítima, ainda que não sustente o título de “sacra” ou religiosa.  Obviamente, uma das manifestações culturais mais relevantes é a arte, o que faz dessa esfera um campo religioso rico, capaz de abrir espaço para uma relação entre cultura e teologia.
 
Então, o dualismo simplista entre arte secular e religiosa não é tão óbvio quanto à carga da tradição fez parecer por muito tempo em alguns ambientes religiosos, em especial no contexto evangélico brasileiro. O distanciamento de alguns grupos religiosos das produções artísticas populares e seus respectivos autores é um fato. Quando a arte não obedece a um padrão religioso que condiz com aquele que já está estabelecido como certo, logo é taxado por este grupo como inconveniente, pecaminoso ou até demoníaco.
 
A questão é: Existe a possibilidade de a teologia dialogar com a arte a ponto de se beneficiar dela como fonte de inspiração diante do sagrado, ainda que ela não se proponha explicitamente a isso? Seria possível a partir de um aparato teológico sério criar uma aproximação saudável do indivíduo religioso com a comumente denominada “arte secular” ou “arte do mundo”? É possível conceber a idéia de que não é só a arte sacra que tem o poder de elevar o ser humano a um encontro com o sagrado?
 
A partir da Teologia da Arte encontrada na Teologia da Cultura de Paul Tillich, sim é possível.
 
Para demonstrar a plausibilidade desta hipótese, primeiramente dialogaremos sobre a Teologia da Cultura, observando o conceito Tillichiano de teologia e depois de cultura. Em seguida vamos abordar a Teologia da Arte, considerando seu aspecto existencialista e sua relação com a religião através do esquema de Tillich de “estilo e conteúdo”. Por último, apresentaremos um exemplo prático de como a expressão artística popular pode ser vista sob um viés teológico, sendo usada para isso a música Vilarejo da cantora Marisa Monte.
 
continua,
 
 
- Por Álvaro Ramos
 

veja também