Elvis Tavares escreve sobre cantor que se tornou referência gospel internacional, superando preconceito

Álvaro Tito ganha biografia emocionante

Atualizado: Segunda-feira, 23 Abril de 2012 as 10:26

O cantor Álvaro Tito trazia no 3º disco de sua carreira, em 1986, um novo formato musical para o Brasil, com arranjos inovadores, baseados em canções norte-americanas. Enquanto dava os primeiros passos para uma carreira de sucesso, sofreu por ver que apesar de todo o seu esforço e dedicação estava sendo pouco aceito pelo público cristão por conta do preconceito musical.
“Aquela evolução de Álvaro Tito, trazida pelo LP Não há barreiras, quebrando alguns paradigmas da música gospel de então, causou o cancelamento das programações agendadas com o cantor, por parte de alguns pastores, isso por acharem que Álvaro perdera a unção, fazendo, assim, um juízo de valor negativo a seu respeito.”


Muito pelo contrário do que pensavam, ele continuava sendo a mesma pessoa íntegra e iluminada de sempre. O que precisava era de tempo para que compreendessem que suas músicas somente trariam ainda mais qualidade e mensagens positivas para a vida das pessoas.


Tito continuou insistindo na carreira e não demorou muito para que se tornasse verdadeira referência para o mercado fonográfico gospel internacional, além de ter quebrado as barreiras entre evangélicos e católicos, pois é muito bem aceito dos dois lados. O cantor está prestes a completar 30 anos de estrada e foi ele o pioneiro que abriu as portas para que outros artistas pudessem basear-se no estilo estadunidense sem sofrer nenhum tipo de discriminação, em especial no início dos anos 1990.


Lançada neste mês pela editora Ágape a biografia do cantor promete emocionar os leitores e fãs.O autor Elvis Tavares aponta em ordem cronológica os principais acontecimentos da carreira do músico, além de relatar curiosidades como a vez em que resolveu se arriscar como empreendedor, criando, ao lado de amigos, o magazine de roupas femininas MANJOT.

Elvis explica que resolveu escrever a história do músico em homenagem aos anos de amizade e companheirismo. "Sou um dos compositores cativos nos álbuns do Álvaro, isto já beirando seus 30 anos de carreira - sendo esta minha participação como autor desde seu primeiro trabalho até o mais recente, pela Sony Music. E ainda em razão de partilhar de sua amizade desde que éramos ainda bem meninos, ele então com 11 anos e eu com 15. Além disso, nem quero dizer que é muita pretensão – já dizendo! – mas como admirador do trabalho musical de Álvaro Tito, engrosso a fila dos que veem como viva a possibilidade do cantor de conquistar o público internacional. Mas para dar esse passo o mundo musical do pop brasileiro precisa conhecê-lo antes. A não ser, por exemplo, que o fenômeno ocorrido com Naná Vasconcelos, percussionista exitoso lá fora e que, infelizmente, não tem esse reconhecimento pátrio, tenha vez na carreira de Álvaro" conta.

Para o autor a música gospel no Brasil vem alcançando um patamar promissor. "A mídia popular tem voltado seus holofotes para a música evangélica. Recentemente tivemos a edição do Troféu Promessa pela Rede Globo, emissora que iniciou essa abertura com inserção de Gospel brasileiro na trilha sonora de suas novelas. Aquela espécie de segregação musical está sendo, aos poucos, dissolvida. Como gosto de dar exemplos que comprovam minha fala, o padre Marcelo Rossi faz sucesso colocando canções de compositores evangélicos em seus discos. O internacional Ed Motta – que já nasceu com DNA musical – dia desses quebrou o roteiro de um show que fazia chamando ao palco o cantor gospel Leonardo Gonçalves para darem uma palhinha de Isn't she lovely, de Stevie Wonder. Leonardo explodiu nas paradas com a música “Getsêmani”, música gospel que já foi cantada até no Faustão" explica.

Tavares acredita que a história de Álvaro contada no livro abre um leque de citações à cultura musical em variadas escalas. " O livro é informativo, emocionante e certamente ativará a curiosidade dos admiradores de música. Embora estejam acesos os faróis do comprometimento de minha análise, por ter escrito o livro, justamente por ser, antes de tudo, uma história de vida marcante, posso prever que a degustação do leitor será bastante prazerosa" finaliza.
 

veja também