Enéias Xavier: Instrumentista apaixonado pela boa música

Enéias Xavier: Instrumentista apaixonado pela boa música

Atualizado: Terça-feira, 25 Outubro de 2011 as 3:35

Enéias Xavier é contrabaixista, pianista, violonista, guitarrista, compositor e arranjador, e também professor de música. Já gravou três álbuns, sendo eles: “Jamba”, “O Peregrino” e o último, intitulado,“Novo Tempo”, lançado recentemente. Cada álbum marca um tempo e uma fase da sua trajetória musical. Além dos trabalhos próprios, Enéias já gravou e ainda faz parceria em shows com nomes conhecidos da música brasileira, tanto gospel como secular. Ele já dividiu o palco com grandes nomes da música como, Chico Amaral, Toninho Horta, Maria Schneider, Milton Nascimento, Flávio Venturini, João Alexandre, Samuel Rosa e Cliff Korman. Com experiência na área, Enéias fala a respeito da carreira, do trabalho tanto na música secular como gospel e do Troféu Promessas. Confira!   Troféu Promessas: Conte-nos como foi sua experiência de conversão a Cristo.

Enéias Xavier: Meu pai, o pastor João Leão (Pastor-Presidente da Terceira Igreja Batista de Belo Horizonte/MG), diz que me converti na barriga da minha mãe. Sério! Eu não mexia há algumas semanas e ele fez o convite para eu aceitar Jesus, dizendo: “Se quer aceitar Jesus como seu Senhor e Salvador, bata três vezes aqui na minha mão!” Ele estava com a mão na barriga da minha mãe, Elzimar, e eu respondi na hora (risos). Mas, me converti para valer ouvindo uma música no rádio quando tinha cerca de nove anos de idade.

Troféu Promessas: E como foi sua inserção na música?

Enéias Xavier: Comecei a gostar de música porque minha mãe é pianista e meu pai cantava em um quarteto na igreja, então, foi tudo muito natural. Assim, a música sempre fez parte da minha vida. Além da experiência sobrenatural que tive em conhecer e aceitar a Jesus, pude ao longo desses 20 anos de carreira conhecer sentimentos, pessoas e lugares que certamente não conheceria sem a música. Talvez o meu maior desafio tenha sido o de começar. No início dos anos 90 não era muito comum um garoto de 18 anos cristão tocar em um evento aqui, um show ali…. Todos tinham medo de eu me afastar dos caminhos do Senhor. No final das contas não me deixei influenciar, pelo contrário, Deus tem me usado para levar pessoas de todo tipo a Ele. Glória a Deus, somente a Ele!

Troféu Promessas: E qual é sua experiência com a música gospel?

Enéias Xavier: Já toquei com alguns nomes conhecidos da música gospel como Ana Paula Valadão, André Valadão, Mariana Valadão, Aline Barros, João Alexandre e Quarteto Vida. Também já produzi inúmeros trabalhos para grandes gravadoras como a Som Livre que conta com a participação de ministérios como o da Ludmila Ferber, Asaph Borba, Carlinhos Félix, Alda Célia, Diante do Trono, entre outros. Também fiz parte do Ministério de Louvor e Adoração Diante do Trono como tecladista, violonista e arranjador de 2005 a 2009. Atualmente, continuo como parceiro do grupo, inclusive, participei da gravação do CD/DVD “Sol da Justiça”, realizada em Natal, em julho desse ano.

Troféu Promessas: A sua carreira tem despontado tanto no cenário nacional como internacional. Você já tocou e ainda toca com grandes nomes da história da música, tanto secular como gospel. Como é realizar um trabalho com essa flexibilidade de estilo e também de relacionamento no meio artístico?

Enéias Xavier: Eu não consigo mais enxergar a diferença entre ser um músico que toca na igreja e um músico que trabalha fora da igreja. Depois de muito quebrar a cabeça com essa questão, simplesmente me deixo levar pelo Espírito Santo que diz claramente: “Esse trabalho não! Esse vai me entristecer” ou “Esse sim! Vai ser uma oportunidade de ser luz no meio dessa loucura”. Mesmo porque existe luz e trevas até mesmo dentro das nossas igrejas como todo mundo sabe.

Troféu Promessas: Como Deus o direcionou a seguir carreira fora das quatro paredes da igreja? Nos dois meios você é recebido com a mesma liberdade, sem preconceito e com o mesmo respeito?

Enéias Xavier: Sim, eu sou muito respeitado e admirado pelos amigos e colegas. Mas o que diferencia mesmo é que tento ao máximo ser eu mesmo. Um cristão que não tem do que se envergonhar e tento manejar bem a Palavra da Verdade. Quanto a minha carreira, as coisas foram acontecendo. Não sentia que a música estava presa na igreja. Então, quando comecei a estudar pude ter certeza disso. De Bach a Miles Davis existe uma longa história e questões multiculturais, mas a música continua lá. Ela é uma arte que pode ser usada de inúmeras formas.

Troféu Promessas: Belo-horizontino de nascença, pela sua experiência, qual a avaliação que faz da música mineira tanto secular como gospel?

Enéias Xavier: Somos abençoados! No meio secular o Clube da Esquina é o maior movimento musical da Música Popular Brasileira. Não teve nada comparado com a estética musical do Clube da Esquina que foi influenciado pelos Beatles, Jazz, a música barroca, erudita e, claro, a música pop americana. Temos ainda as maiores bandas pop e duplas sertanejas do Brasil. No meio gospel, não tem como negar, temos verdadeiros fenômenos em vários aspectos. Músicas com melodia de beleza rara e arranjos diferenciados e alguns ministros que considero artistas completos. Tem ainda dezenas de ministérios que fazem todo tipo de música, inclusive, alguns influenciados pela música secular de Minas.

Troféu Promessas: A sua habilidade e versatilidade musicais são notórias. Como concilia esses dons e desenvolve seu talento?

Enéias Xavier: Dom de Deus! Mas não tocaria nada se não tivesse estudado. É Deus também que me deu amor pela música e pelo trabalho de manutenção quase diário. Pelo dom da música eu agradeço a Deus todos os dias e para aperfeiçoar não tem outro jeito, tem que estudar muito!

Troféu Promessas: Existe alguma diferença em realizar o trabalho com um grupo secular e um gospel?

Enéias Xavier: Sim, tem diferença. Não sei quando chegaremos a ser como nos Estados Unidos, por exemplo, onde os músicos são muito bem remunerados e também trabalham com grandes artistas da música pop. Mas, a música gospel no Brasil trabalha a todo vapor para se profissionalizar. Enquanto isso, os artistas do meio secular tratam tudo como um negócio. Entendo que é difícil um equilíbrio na equação do espiritual X financeiro. Tem ainda as diferenças de relacionamento. Eu chamo um artista gospel de irmão e tem os irmãos de som do meio secular, é bem complexo.

Troféu Promessas: O Troféu Promessas – promovido pela GEO Eventos e Rede Globo – é um instrumento para honrar a vida daqueles que se dedicam a exaltar fielmente o Senhor por meio da música. Qual a sua opinião a respeito de uma premiação como essa?

Enéias Xavier: Sensacional! O mercado gospel é o maior do momento. Não tem como passar despercebido pela mídia mais não. Vida longa ao Troféu Promessas!

Troféu Promessas: E os seus CDS? Qual foi a inspiração para os projetos lançados? Você está preparando alguma novidade? Quais os sonhos a serem realizados em 2012?

Enéias Xavier: Meu terceiro álbum acaba de ser lançado, intitulado“Novo Tempo”. Comecei esse projeto há dois anos. O meu segundo álbum se chama “O Peregrino”. Estava com o Diante do Trono nos Estados Unidos quando falávamos muito sobre o famoso livro homônimo de John Bunyan, enquanto visitávamos uma pequena réplica de Jerusalém, em Orlando, e vimos o livro original lá. Também visitamos o navio de onde vieram os Pilgrims, que abençoaram a terra que hoje é a maior nação do planeta. O meu primeiro álbum se chama “Jamba”, que é uma mistura de jazz com samba. Os dois últimos projetos têm uma relação com a história do DT, mas o primeiro tem uma conexão com Cristo, sim! Jesus está lá. Tem duas composições em especial, “Vida Eterna” e “Estrela da Manhã”.

Troféu Promessas: Como tem sido conciliar a carreira e família?

Enéias Xavier: Minha esposa e filha se acostumaram com muitas viagens e shows. Mas procuramos estar sempre juntos todos os dias em alguma hora. Recentemente, por exemplo, elas foram me assistir em uma praça de Belo Horizonte, aproveitaram para passear e brincar. Não é fácil como qualquer outra profissão. É muito ativismo.

Troféu Promessas: Você enfrenta ou já enfrentou algum tipo de problema dentro da igreja por fazer música fora dela?

Enéias Xavier: Talvez, mas senti que era inveja ou coisa para esquentar a cabeça do meu pai que é o Pastor-Presidente da igreja.

Troféu Promessas: Tem alguma palavra específica dada por Deus para fazê-lo seguir adiante?

Enéias Xavier: Eu busco na Bíblia o que Deus tem para mim a cada dia. E Deus sempre fala conosco por meio da Sua Palavra. Mas também já recebi profecias e eu as considero, pois, são bíblicas também. O que Ele tem me dito? “Eu te chamei para fazer diferença nessa geração”. Não sei se só por meio da música. Mas ela tem me levado muito longe. Glória a Deus!

Troféu Promessas: Quais são as principais referências musicais que você tem?

Enéias Xavier: Por ordem de encontro com a música de cada um desses maravilhosos artistas: João Alexandre, Milton Nascimento, Miles Davis, Jaco Pastorius, Marcus Miller e Stevie Wonder.

Troféu Promessas: Tem algum segredo a receptividade do seu trabalho dentro e fora das igrejas?

Enéias Xavier: Acho que é tentar ser uma pessoa normal que conversa de tudo com todo mundo e faz a música que acredita.

Troféu Promessas: Qual a aceitação da música instrumental no Brasil atualmente?

Enéias Xavier: Fantástica! O Brasil tem grandes festivais de Jazz (que incluem todo tipo de música) e o público não para de crescer. Assistir a um show de música instrumental é como ver um pintor fazer um quadro na sua frente.

Troféu Promessas: E para tantos outros músicos por aí, seja secular ou gospel, que têm deixado o talento escondido por medo, falta de incentivo e dificuldades de inserir seu trabalho no mercado, qual a mensagem que você deixaria para eles?

Enéias Xavier: Ouvir a voz de Deus. Deus sabe o que é melhor mesmo que você ache o contrário no momento. Nem sempre a hora de lançar um disco, comprar uma guitarra ou vender um milhão de cópias vai ser aquela que você quer. Mas tenha fé que Deus está sempre no controle de tudo!

Troféu Promessas: Para os músicos cristãos que são seus alunos, como você associa a mensagem técnica e da salvação? Você os incentiva a seguir uma caminhada na música mesmo que não seja ministerial caso eles se sintam vocacionados a cumprirem o IDE de Jesus no meio secular?

Enéias Xavier: Nas minhas aulas procuro falar de música e só. Se alguém me chama para um seminário, como no Centro de Treinamento Ministerial Diante do Trono ou Seminário Asas da Adoração, Jocum ou em qualquer outra igreja, falo um pouco mais desse assunto delicado. Mas não incentivo nem desaconselho nenhum aluno. É uma coisa muito pessoal. É como a salvação. Você escolhe. E se não for a vontade de Deus, vai dar errado.

Troféu Promessas: E qual mensagem você deixa para os cantores cristãos que estão passando pela fase final de votação popular do Troféu Promessas?

Enéias Xavier: Bem friends, vamos ver o que Deus quer esse ano? Pode ser que não seja dessa vez, mas depois pode ser muito melhor! No mais, todo mundo torcendo para ganhar. Alegria, alegria!    

veja também