Entrevista - Waguinho:

Entrevista - Waguinho:

Atualizado: Segunda-feira, 6 Outubro de 2008 as 12

Por Myrian Rosário

Ele tem uma história de mais de 25 anos na música. No mundo, gravou 10 CDs, sendo seis com o grupo "Os Morenos" e quatro em carreira solo. Muito conhecido como compositor, assinou grandes sucessos do "É o Tchan" e do "Molejo", entre outras bandas. Wagner Pereira nasceu na favela da Vila Cruzeiro e enriqueceu graças à sua vocação. Apesar da fama, das mulheres, do carro importado e da casa na praia, ele sofreu durante muito tempo por ter um vazio grande no peito. Nem as drogas nem os ídolos foram capazes de saciá-lo. "Eu buscava uma forma de me livrar desse vazio. Fui viciado por 25 anos. Fiz promessas na Igreja da Penha, simpatias, freqüentei a macumba e fiz oferendas para Zé Pelintra e nada adiantou", lembra ele. Mas em 2000, o Senhor começou a escrever uma nova história na vida desse homem que hoje canta, trabalha e respira por e para Jesus.

Guia-me: Como foi a sua conversão?

Waguinho: Enquanto eu procurava me livrar do vazio me afundando em várias coisas erradas, a Fabíola, minha esposa, esperava e orava com a minha mãe e a tia Jurema, que foi a primeira pessoa da minha família a se converter. Uma noite, no dia 30 de outubro de 2000, eu estava num motel, drogado, e liguei para a minha mulher, pedindo socorro. Ela foi me buscar. Eu disse a ela que queria mudar e ela me falou que Jesus Cristo podia fazer isso. Eu estava muito drogado e havia três noites que eu não dormia, mas, mesmo assim, orei: "Jesus, entra agora na minha vida, eu preciso de ti!". Eu estava com os olhos fechados mas vi uma luz grande e senti como se alguém me pegasse no colo. Abri os olhos e o efeito da drogas e da bebedeira tinham passado instantaneamente. Eu vi que Jesus é poderoso e, desde aquele momento, nunca mais fui o mesmo. Eu acreditei no poder de Deus e Ele mudou a minha vida.

Guia-me: Como os seus "amigos do mundo" reagiram à sua transformação? Alguém duvidou que você havia se transformado em nova criatura? Por que?

Waguinho: Eles não acreditavam que o Waguinho mulherengo, famoso, cheio de dinheiro, viciado e que adorava a fama tivesse mudado. Mas depois de três anos, quando eu conheci a obra da ADUD e comecei a atuar nesse ministério, larguei o mundo secular completamente e as pessoas viram que não era uma fase, mas uma transformação completa e definitiva.

Guia-me: Fale um pouco sobre o seu ministério na Assembléia de Deus dos Últimos Dias e no Instituto Vida Renovada.

Waguinho: Sou missionário e trabalho no Instituto Vida Renovada, com recuperação de dependentes químicos. Tenho testemunhado milagres, o poder de Deus agindo plenamente. O mesmo Deus que abriu o Mar Vermelho tem transformado os drogados. A renda advinda da venda de todos os CDs e DVDs da ADUD permite fazer um bom trabalho com a população carente. Hoje invisto na obra 50% de tudo o que ganho. Temos quase 300 pessoas no Instituto Vida Renovada e somos responsáveis pelo sustento integral delas. Providenciamos alimentação, roupas, documentos e até cesta básica para a família. Mais de cinco mil pessoas já passaram pelo Vida Renovada.

Guia-me: Numa entrevista ao Clip Gospel, você disse que "largou tudo para seguir Jesus". Na verdade largou nada, porque não tinha nada? O que lhe faltava mesmo depois do sucesso e da fama? Qual era a sua maior carência?

Waguinho: Faltava paz. Quando o homem que não tem paz não adianta fama, dinheiro, sucesso. Só quem pode dar paz é Jesus de Nazaré. Hoje eu tenho paz, saúde, alegria, família. Minha esposa desenvolve um trabalho em presídio feminino, os meus filhos compõem louvores. Minha família era conhecida como uma família de sambistas e macumbeiros e hoje 99% dos meus familiares servem a Jesus, incluindo minha mãe e o meu pai. Deus mudou a nossa história.

Guia-me: Qual é a diferença entre a carreira de um cantor secular e a de um adorador?

Waguinho: A maior adoração é amar a Deus e ao semelhante. Adorar não é somente pegar um instrumento, fechar os olhos e dizer te amo, Deus. Mas cuidar do necessitado, amar o semelhante, orar pelos enfermos. Adorar vai além da música. É fazer a vontade de Deus. Amar o que Deus fez à sua imagem e semelhança.

Guia-me: Você foi indicado em duas categorias para o Troféu Talento e levou o prêmio como Melhor Álbum Alternativo. O que esse prêmio representa para você?

Waguinho: É uma bênção de Deus e um reconhecimento de Deus. É muito bom ver o nosso trabalho reconhecido porque nós fazemos tudo primeiro para Deus. Acho que essa foi a primeira vez que um CD de samba ganhou o Troféu Talento. Quando se faz um compromisso com Deus, não importa o ritmo.

Guia-me: No mundo secular, o samba e o pagode são sempre associados à bebida, mulheres e prazeres da carne. Qual seria a sua mensagem para quem quer ter um encontro com Jesus, mas não abre mão dessas "baladas"?

Waguinho: É preciso dar o primeiro passo. Veja o que Deus fez na minha vida e imagine o que ele pode fazer com quem decidir sair de casa para visitar uma igreja. Vinde como estás e Deus fará a obra.

veja também