Entrevista - Wander Peixoto

Entrevista - Wander Peixoto

Atualizado: Sexta-feira, 1 Agosto de 2008 as 12

Por Myrian Rosário

Compositor, produtor e intérprete, Wander Peixoto tornou-se conhecido do público ao permanecer por cinco meses, gravando cerca de 35 programas, no quadro "Quem sabe canta, Quem não sabe dança", apresentado por Raul Gil. Depois de gravar CDs gospel, ele está prestes a lançar seu primeiro trabalho no mercado secular e afirma: "só existem dois tipos de música, a ruim e a boa". Confira as idéias desse talentoso cantor sobre adoração e secularização.  

Guia-me: Na sua opinião, o músico evangélico pode atuar em ambiente não evangélico? Por que?

Wander Peixoto: Claro, com certeza. Não só pode, como deve! O músico é um profissional como qualquer outro, seu instrumento de trabalho é a música. Por exemplo: Um dentista evangélico pode atender não evangélicos também? Falo isso porque nós, cristãos, temos uma idéia errada sobre adoração. Adoração está longe de ser música, adoração é uma vida com Deus. Música é um dos elementos da adoração.

Crente só ouve louvor ou pode ouvir outro tipo de música "do mundo"?

Wander Peixoto: Essa expressão "música do mundo"  chega a ser engraçada. Vou explicar. Exemplo: um 'imaõazinho' sobe no altar e começa a cantar: "Ao Rei dos Reis consagro tudo o que sou...". E sua vida não condiz com o que ele canta. Por outro lado, uma pessoa canta: "Eu sei que vou te amar, por toda minha vida eu vou te amar...". E esse cara cantou com toda sua verdade para pessoa amada e viveu aquilo que cantou. Uma perguntinha: O que foi louvor e o que foi música do mundo para você? Deus ordenou que nós amássemos uns aos outros. Quando eu canto o amor que sinto por um ser humano, não há nada mais gospel do que isso! Isso é um tipo de louvor. Música do mundo para mim é aquela que eu não vivo, ou sem base teológica nenhuma.

Essas músicas seculares não poderiam trazer contaminação para o crente?

Wander Peixoto: A palavra de Deus nos alerta para retermos o que é bom. Tem muita porcaria no circuito secular sim, assim como tem muitas coisas sem base bíblica circulando dentro da igreja.

Quais os critérios para selecionar as músicas do mundo?

Wander Peixoto: Os mesmos para selecionar as músicas cristãs.

O que você acha de um músico ou cantor cristão gravar CDs seculares ou atuarem secularmente?

Wander Peixoto: O que você acha de um advogado cristão atuar no meio secular?

Recentemente, a Mara Maravilha revelou que foi criticada por voltar a gravar músicas românticas. As pessoas alegam que o dom do músico ou cantor cristão é exclusivo para adorar a Deus. O que você tem a dizer sobre isso?

Wander Peixoto: Adorar a Deus é tudo o que eu devo fazer, seja cantando ou lavando o banheiro da minha igreja, ou na empresa em que eu trabalho. Enfim, como disse anteriormente, a música é apenas um dos elementos da adoração. Quem falou que ser romântico é ser do diabo? Se você acha que um músico cristão não deve falar de amor, do amor que ele sente por uma mulher, vá agora na sua Bíblia e rasgue as páginas de Cantares de Salomão. A Mara, eu ou qualquer músico ou cantor pode sim, porque não, cantar músicas românticas e viver da sua música.

Músico crente precisa ouvir música secular para aprender?

Wander Peixoto: O músico cristão, aliás, qualquer pessoa, deve ouvir música boa, "secular" ou não. Mas, no geral, é o que não acontece aqui no Brasil, haja vista tantas músicas de péssima qualidade fazendo o maior sucesso por aí,

Como você avalia a música gospel brasileira?

Wander Peixoto: Sinceramente, muito pobre poética, melódica e harmonicamente falando. Que saudades quando bandas como Milad, Vencedores por Cristo, Pescadores, Logos, etc. faziam sucesso. O conteúdo no geral era de um extremo bom gosto. Enfim, hoje existe um modismo dentro das igrejas, você vai em várias denominações e ouve quase que as mesmas letras, as mesmas músicas, as mesmas harmonias, não se vê nada de muito interessante e novo. Bem, essa é minha opinião, você não precisa concordar comigo.

Como você avalia a música secular, nessa era de "Créus" e "Quadrados"?

Wander Peixoto: Tem certeza de que quer que eu responda isso? (Muitos risos). Resumindo, estamos falando aqui de músicas, não disso, né?

Como foi a sua experiência como calouro do Raul Gil?

Wander Peixoto: Singular! Deus me permitiu ir ao programa, não somente para me promover, claro, mas para fazer diferença nos bastidores daquele lugar. Algumas vezes participei cantando músicas gospel e o poder de Deus se manifestou de forma gloriosa e sobrenatural. Cantar dentro da igreja não é difícil, difícil é você sair desse nosso mundo, meter os pés fora da igreja e gritar aos quatro ventos que você é de Deus, que você não compactua com a promiscuidade e tudo mais.

Você concorda que o povo de Deus tem que "invadir" a mídia secular para proclamar a mensagem de Cristo?

Wander Peixoto: Sabe, disseram tanto que a televisão era do diabo que ele foi lá e tomou posse. Estão fazendo a mesma coisa com a internet. A Bíblia diz que há poder nas nossas palavras, então, temos que tomar cuidado com o que falamos. Por isso, digo, temos que "invadir" sim, esse meio. Imagina se ao invés dessas novelas da Globo, houvesse produções de novelas cristãs, se o Serginho, do Altas Horas, fosse um pastor e os telejornais só transmitissem notícias de pessoas se convertendo? Demorou para começarmos a declarar, em nome de Jesus, que esse espaço na mídia é do povo de Deus e só o faremos quando deixarmos de ser tão preconceituosos.

Você gravaria músicas seculares?

Wander Peixoto: Eu estou gravando um CD secular que será lançado esse ano ainda. O "Íde por todo mundo e pregai o evangelho a toda criatura" não tem muito sentido dentro da igreja, isso funciona fora dela.

Só peço que orem por mim, que lutem comigo e que saiamos da igreja para pregar o evangelho de Jesus.

Em suma, acho que todo músico cristão deveria ter um trabalho musical secular, talvez falando a língua "do mundo" tenhamos mais chance de trazer mais pessoas para Jesus.

veja também