Hygor Junker é representante de uma nova geração de ministros

Hygor Junker é representante de uma nova geração de ministros

Atualizado: Quinta-feira, 6 Outubro de 2011 as 11:03

Malucão. É assim que o próprio Hygor Junker define seu estilo.

Ele é filho de missionários da Igreja Metodista e faz parte, junto com os pais, do Ministério Toque de Poder. Hygor é o baterista do ministério, dá aula particular de bateria e já deu aula até no Canzion.

Em entrevista ao GUIAME, ele conta mais sobre o começo de seu ministério. “Comecei a ter experiências tão fortes com a Palavra do Senhor e ao tocar batera eu clamava: ‘Senhor, que cada som seja uma palavra ministrada aos corações’”, conta, “vivia experiências intensas com Deus através da bateria e quando acabava o culto as pessoas vinham falar comigo para testemunhar aquilo que nós desfrutávamos juntos e eu também começava a compartilhar aquilo que sentia no coração e as pessoas começaram a me convidar para ir à casa de um amigo compartilhar, em uma vigília e, de repente, as pessoas estavam me chamando para vários lugares.”

Junto com outros cantores como Thiago Grulha, Hélvio Sodré, Samuel Mizrahy, Fellipe Magalhães e Rodrigo Soeiro, Hygor Junker está lançando o CD ‘Conversos’. “É um CD que reúne os ministros amigos, onde um participa da vida do outro ministerialmente, um tem um exemplo para o outro. Nós somos muito ligados e essa intimidade fez com que tivéssemos essa liberdade de ministrar juntos”, relata Junker.

Hygor conta que seu foco ministerial é o trabalho com jovens, até pelo fato de terem a mesma linguagem.

O ministro explica como começou a se deixar ser usado da maneira que Deus queria: “Por muito tempo eu olhava para algumas pessoas e pensava ‘eu quero pregar como ele’, e eu tentava pregar como o Adhemar de Campos, por exemplo, olhava sério, falava profundo, até que um dia o Senhor falou ‘escuta, esse seu jeito fui Eu (Deus) que fiz e vou te usar assim como você é, malucão, essa ‘pegada’ celestial fui eu que coloquei em você, e o que for preciso mudar, eu que vou mudar’”.

“É uma doideira, esse cabelo em pé é só um pedaço disso porque é o Espírito Santo que controla, é eletrizante, viver com Jesus é assim, é essa pegada”, conta Junker com um sorriso nos lábios.

Por Juliana Simioni

veja também