Leonardo Gonçalves comenta o The Voice Brasil: "Não faz sentido"

Leonardo Gonçalves comenta o The Voice Brasil: "Não faz sentido"

Atualizado: Sexta-feira, 27 Dezembro de 2013 as 2:32

Através do Facebook, Leonardo Gonçalves, um dos cantores mais respeitado da música cristã, expôs sua opinião a respeito do The Voice Brasil.
 
Em um texto, ele fala sobre os reality musicais e de algumas coisas que não fazem sentido em programas como este. Confira:
 
 
The VoiceEstou em vão tentando me segurar pra não falar do #TheVoiceBrazil, até pq não assisti a nenhum dos programas… mas aqui vai, rapidinho…
 
[antes que os do pró e do contra se levantem, nem sei quem é o vencedor e nem sei quem foram os finalistas. o assunto da minha reflexão não é este.]
 
O #AmericanIdol e o #TheXFactor são dois dos programas de maior audiência da atualidade do país em que mais se consome (legalmente) música no mundo (EUA). mesmo assim, de todas as edições que já aconteceram, se não me falha a memória, apenas a Carrie Underwood tem uma carreira estável. sim, Kelly Clarkson tem um disco cheio de sucessos, mas seu segundo álbum foi um fracasso; conseguiu emplacar 1 hit no 3o álbum, mas o futuro dela ainda permanece incerto. One Direction –que, diga-se de passagem, sequer venceu a competição– é apenas mais uma sacada do simon (idealizador e dono dos dois programas e franquias) que se ligou que desde a década de 90 sempre houve  pelo menos uma #BoyBand para arrasar com os corações das adolescentes e que, atualmente, as #BoyBands que nem estavam mais juntos, estavam fazendo turnês de sucesso, ou seja: uma óbvia lacuna de mercado que ele aproveitou. ;)
 
Onde eu quero chegar? até entendo a graça de assistir a programas como estes; são divertidos; entretêm. mas engana-se quem acha que, vencendo um deles, ganhará de presente uma carreira artística lôngeva. há exceções? Inclusive no brasil, há. mas se você é músico e vive disso, você já é uma exceção. você participar de um programa de voto popular em q vc instantaneamente fica famoso (além disso dificilmente ser saudável) é você ser a exceção da exceção. você ganhar este programa, você é a exceção, da exceção, da exceção. e você, como consequência disso, ter uma longa carreira de sucesso, você é a exceção, da exceção, da exceção, da exceção. (talvez ganhar na loteria seja mais fácil!)
 
Agora se você, da sua casa, ou porque alguém lhe falou isso– acha provável que você faça parte desta quádrupla exceção, rs… talvez você esteja com uma visão distorcida de si mesmo (ou se ache mais do que deveria). e se vc é crente e tem fé em D-S, q Ele pode todas as coisas, é verdade: Ele pode, mesmo! D-S pode até usar vc onde vc está. e se Ele não usa vc onde vc está, dificilmente usará vc em qq outro lugar. ;)
 
Mas sabe o que eu acho pior neste tipo de programa? Na música (cristã ou não cristã) você NUNCA está competindo com os outros. e este tipo de programa faz parecer que sim. ou ensina as pessoas que estamos competindo. música se faz JUNTO com outras pessoas. não umas CONTRA as outras. não é apenas na música cristã que o objetivo é fazer refletir, tocar a vida de pessoas, levar conforto e alegria. e se o objetivo é este, como isto poderia acontecer num ambiente de competição?! Já imaginou se os jurados (com carreiras, a princípio, já estabelecidas) estivessem competindo entre eles? É difícil até de imaginar! simplesmente porque NÃO FAZ SENTIDO!!!
 
Na música –como em tudo!– não estamos competindo entre nós, uns com os outros. Competimos, isto sim, com nós mesmos. Eu quero ser melhor amanhã do que sou hoje e espero que hoje já esteja melhor do que eu fui ontem. quero, sim, fazer um disco mais bonito, relevante, bem feito, sensível e  transformador que o anterior, mas não estou olhando para os lados; estou olhando para cima (D-S) e para dentro de mim, para a transformação que o Espírito Santo quer operar e, espero, esteja operando. 
 
- Leonardo Gonçalves
 

veja também