Mara Maravilha

Mara Maravilha

Atualizado: Quinta-feira, 24 Janeiro de 2008 as 12

Por Myrian Rosário

[email protected]

Rica, bonita, famosa e bem-sucedida. Ela sempre brilhou na tela da TV e arrebanhou milhares de fãs pelo Brasil e no Exterior. Com seu jeito maroto, meio menina, meio mulher, Mara Maravilha saiu da infância pobre em Itapetinga, na Bahia, para o estrelato. Ela nasceu para brilhar. Cheia de talento, alcançou sucesso também como cantora, ganhou vários discos de ouro e não tinha motivos para se queixar da vida. Namorados lindos, casa com piscina, carro importado, muito dinheiro no banco... O que poderia faltar a uma pessoa como ela? Faltava Jesus.

Guia-me - Como era a sua vida sem Jesus?

Mara - Eu vivia de aparências. Aparentava tudo o que gostaria de ser. Era uma pessoa sem paz. Eu até tinha alegria, mas não era uma alegria constante. Eu vivia uma felicidade momentânea que, quando passava, deixava um vazio muito grande. Hoje eu sou feliz em tempo integral. Posso ter problemas, como todo mundo tem, mas sou verdadeiramente feliz.

Guia-me - Qual era a sua idéia sobre Deus?

Mara - Eu sempre fui muito religiosa. Era católica praticante e esotérica. Lia a Bíblia, falava de Deus. Cantava ''Jesus Cristo eu estou aqui'', mas não o conhecia de verdade, não tinha um relacionamento com ele. Eu sempre busquei muito a Deus. Adorava o sol, acreditava em horóscopo, cultuava os anjos, praticava os ensinamentos da Seicho-no-ie, acendia incenso, tinha pirâmides, imagens, fazia uma mistura total. Nunca fui macumbeira, mas tudo o que falavam que ia fazer bem, eu acreditava.  

Guia-me - O que você achava dos evangélicos?

Mara - Para mim, os evangélicos eram um povo cafona, alienado. O protótipo de gentinha. Eles eram tudo o que eu não queria ser.

Guia-me - Mesmo assim, você sentia que lhe faltava alguma coisa?

Mara - Eu tinha um vazio de Deus. Como diz a Palavra: de que vale ganhar o mundo e perder a alma? Eu tinha fama, dinheiro, sucesso, mas faltava Jesus.

Guia-me - Como você foi para a igreja?

Mara - Eu não fui querendo. Muitas pessoas dizem que Deus tem que tocar, que quando alguém sentir de ir vai. Eu não acredito nisso. Eu fui para a igreja porque a minha vida estava um caos. Eu tinha problemas de saúde e problemas espirituais. Tornei-me dependente de moderador de apetite, estava presa no vício, tomava até dez remédios por dia. Além disso, tinha um cisto no ovário e corria o risco de perdê-lo. Estava completamente perdida e Jesus me curou de tudo.

Guia-me - Quem te evangelizou?

Mara - Várias pessoas me evangelizaram. A Palavra de Deus estava sempre chegando até mim por intermédio de um vizinho, de um parente, de um folheto, de um programa de rádio, de televisão, de mensagens em adesivos de carros e até out-door. Foi uma série de Jesuscidências.

Guia-me - Mas quem te levou para a igreja?

Mara - Nas primeiras vezes, eu fui com um casal de amigos, funcionários meus. Fui uma ou duas vezes, gostei, me emocionei, chorei bastante, até aceitei Jesus, mas não levei a sério e não voltei.

Guia-me - Como você se sentia dentro da igreja?

Mara - Tudo me incomodava. O barulho, o jeito das pessoas, tudo. Eu me achava um peixe fora d'água, mas me sentia bem.

Guia-me - Quando você foi para a igreja pra valer?

Mara - Quando estava com problemas de saúde, eu voltei. Mesmo sem vontade. Tudo o que o pastor falava coincidia com a minha vida. Então, ao invés de dar ouvidos à minha crítica e aos meus preconceitos, passei a dar valor ao que Deus estava falando para mim. Em determinado momento, o pastor falou para eu pensar nos problemas que estava enfrentando e provar a Deus. Eu achava até um desrespeito fazer isso. Eu cresci acreditando num Deus distante e estava sendo apresentada a um Deus que eu não conhecia, um Deus com quem eu poderia me relacionar mais do que com qualquer pessoa, um Deus indescritível. Naquele dia, fiz um propósito e pedi cura e libertação.

Guia-me - Como foi o início da sua vida com Cristo?

Mara - Depois de aceitar Jesus, no mesmo dia, o pastor disse que eu tinha que ir uma semana inteira à igreja, todos os dias. Achei demais, mas fui só para ver se acontecia alguma coisa. Já não tomava mais os remédios, mas ainda sentia muita vontade. Provei Deus, me aproximei dele. Estava nas trevas, nas correntes e fui liberta.

Guia-me - Foi fácil para você ir à igreja todos os dias da semana?

Mara - Não foi nada fácil, ainda mais porque o pastor também disse que eu teria de ir vestida em pano de saco, que teria de me humilhar embaixo da mão potente de Deus. Eu já tinha sido muito humilhada pelos homens. Enfrentei calúnias, inveja. Sofri demais antes de conhecer Jesus. Mesmo sem vontade, fui à igreja durante uma semana vestida em pano de saco, mesmo sendo uma artista famosa, porque era isso que Deus queria de mim. A gente tem de ir à casa de Deus com vontade ou sem vontade, porque temos que obedecer à vontade Dele. Naquela mesma semana, minha vida começou a mudar radicalmente. A primeira mudança aconteceu no meu coração, eu me libertei da tristeza, alcancei a cura dos meus problemas físicos e continuo mudando até hoje.  

Guia-me - Como foi a sua adaptação à igreja, já que você é uma pessoa famosa?

Mara - O assédio sempre existe, mas o Espírito Santo se encarrega de tudo. Ele me tornou mais carinhosa com as pessoas. Sempre fui muito agitada e agora sou mais tranqüila. Sei que muita gente me critica. A fama e o sucesso fazem parte da vida do artista, mas eu não me iludo.  Sei que a minha glória não está nesse mundo, estou esperando a minha glória lá no céu.

Guia-me - O que mudou no seu relacionamento com a família e os amigos depois da conversão?

Mara - Existem evangélicos desviados na minha família, da parte do meu pai. Eu não faço distinção nenhuma entre os da fé e os que não são da fé porque o inimigo usa o preconceito contra a gente. Enfrentei algumas críticas e preconceitos, mas amém. ''Em tudo dai graças''. O importante é que eu estou firme e vou prosseguir nesse caminho.

Guia-me - Você já ganhou alguém da sua família para Jesus?

Mara - A minha mãe e um tio meu estão vindo para a igreja.

Guia-me - Como tem sido o seu trabalho de evangelismo?

Mara - Eu dou meu testemunho pelo Brasil inteiro, faço shows evangélicos e busco sempre a unção do Espírito Santo para que as pessoas sejam alcançadas. Eu uso isso como um modo de brilhar com a luz de Jesus no meio daqueles que não o conhecem. Afinal, nós somos sal da terra e luz do mundo e a luz não pode ficar escondida.

Guia-me - Como é a Mara hoje?

Mara - A Mara de hoje tem domínio próprio. Eu domino as minhas emoções e não são elas que me dominam. Não existe mais aquele contraste de antes, uma hora feliz e outra triste. Eu sou feliz em tempo integral. Estou mais serena, busco o amor para com o próximo e tenho um relacionamento íntimo com Jesus. Deus não é para um momento, mas para todas as horas.

Guia-me - O que Jesus representa para você?

Mara - Jesus é a alegria, a minha força. É tudo o que eu tenho. É tudo o que eu vou levar comigo. Viver é Cristo e morrer é lucro para aquele que está em Cristo. Quando eu morrer, não vou levar minha casa com piscina, meu carro importado, nada dessas coisas. A vida eterna é o meu prêmio. A morte de algumas pessoas famosas, como a Lady Di, nos fazem refletir bastante. A última tentativa do diabo contra nós é na morte porque quem morre sem Jesus vai para as trevas. Quem tem Jesus não, porque Ele venceu a morte e quem está com Jesus não morre!

veja também