Mesmo após conversão, compositor ainda é requisitado no meio secular

Mesmo após conversão, compositor ainda é requisitado no meio secular

Atualizado: Segunda-feira, 14 Março de 2011 as 4:03

“Deixei de compor músicas ‘mundanas’ para me dedicar à música gospel”. Mesmo com esta declaração, o cantor e compositor de Campo Maior (PI), Julião Fênix continua sendo disputado por artistas seculares de renome nacional.

O cantor, que agora é evangélico e deixou os palcos há cerca de três anos, confessou ao site Cidadeverde.com que possui outras prioridades artísticas, mas que mesmo assim, continua sendo procurado como compositor.

“Agora eu não componho mais. Apenas negocio as gravações das composições antigas que, por um motivo ou outro, ainda não foram gravadas. Em breve teremos mais um sucesso divulgado em nível nacional”, promete Julião Fênix.

O piauiense tem 30 anos de idade, 15 deles dedicados a música. A carreira foi inicia na banda Contagem Musical, grupo que integrou por 4 anos. Ao sair da banda, fechou parceria com a banda Spacial e lá ficou por 11 anos.

“O forró Limão com Mel gravou em 2004 a música ‘Não vou deixar’. Depois gravou ainda as músicas ‘É saudade demais’ e ‘Chave da porta’. Também fui gravado pela banda Gatinha Manhosa, Márcia Felipe ‘O troco’ mas a consagração foi com a cantora Alcione gravando ‘Vou gritar que te amo’”, contou.

Julião Fenix hoje canta só músicas gospel na igreja evangélica e também trabalha dando aulas de canto nas cidades vizinhas e Campo Maior. Os contatos com os músicos nacionais aconteceram através do prefeito da cidade, Paulo Martins, que atua como empresários de bandas regionais.  

Por Lívio Galeno

veja também