Músico sonoriza vida de James Brown

Músico sonoriza vida de James Brown

Atualizado: Segunda-feira, 9 Abril de 2007 as 12

  Músico sonoriza vida de James Bro wn

POR: OSEIAS T.BRANDÃO

Novo desafio de Blanchard é compor para filme de Spike Lee sobre soulman   Com mais de 50 filmes no currículo, Terence Blanchard é o rei das trilhas de cinema no jazz. Entre seus trabalhos (tocando, compondo ou regendo) estão Mais e Melhores Blues (Mo' Better Blues, 1990), direção de Spike Lee, no qual ele era o trompetista que fazia Denzel Washington tocar como se soubesse o que fazia.

Mas Blanchard fez muitos outros: com Spike Lee, entre outros, compôs para A Febre da Selva (Jungle Fever, 1991), Malcolm X (1992), The 25th Hour (2002), She Hate me (2004), O Plano Perfeito (The Inside Man, 2006). Também trabalhou com Tim Sotry em Barbershop (2002), que tinha o rapper Ice Cube no elenco.

A mais recente empreitada de Blanchard no cinema é o filme Talk to me (2007), com direção de Kasi Lemmons. Na produção, o ator Don Cheadle faz o papel de Ralph Waldo 'Petey' Greene, um ex-presidiário que fez história como locutor de rádio nos Estados Unidos nos anos 60.

Mas a cereja no bolo da carreira de um compositor engajado nas lutas dos negros americanos é a trilha para o próximo filme de Spike Lee. O desafio não é pequeno: construir paisagens sonoras para uma história sobre a vida do cantor James Brown, morto em dezembro do no ano passado.

'O cinema me dá a chance de fazer algo diferente do ato de tocar para um público. É uma música que busca conectar cenas, dar sentido a um tipo de ação. Gosto desse desafio, é bom como esforço criativo', diz Blanchard.

No ano passado, em festival na Cidade do Cabo (África do Sul), Blanchard também falou ao Estado sobre seu métier alternativo nas trilhas de cinema. Comentava, na época, o trabalho que fez para o filme O Plano Perfeito, de Spike Lee. 'Nova York é um tipo de comunidade onde vários mundos convergem. A música do filme procura retratar isso', disse Blanchard. 'Spike fez um grande negócio. Ele levou sua arte para dentro de um filme comercial, conseguindo subverter a lógica desse tipo de cinema.'

Ele também fez música para muitos documentários, um deles especialmente prazeroso - por conta de sua paixão pela pintura abstrata: Who the Fuck is Jackson Pollock?

'Adoro pinturas, tenho vários trabalhos em minha casa. Em Bounce, fiz uma música para um pintor, inspirada em suas pinturas, Fred Brown. Quanto a Pollock, sim, eu o admiro. Foi um artista único, com uma coragem de experimentar e ousar que poucos tiveram.'

veja também