Os universitários e a Música Brasileira de Raiz Cristã

Os universitários e a Música Brasileira de Raiz Cristã

Atualizado: Segunda-feira, 23 Dezembro de 2013 as 6

músicaNo blog Nossa Brasilidade, Marcos Almeida, vocalista da banda Palavrantiga, escreveu um artigo em que comenta as pesquisas e trabalhos que alguns universitários têm feito a respeito da cultura musical como foco na música religiosa, gospel e cristã. Confira:
 
Recebi um e-mail muito curioso. Um jovem estudante da USP compartilhava sua vontade de escrever um artigo, onde aplicaria as teorias de comunicação ao analisar a indústria cultural brasileira. Pediu algumas sugestões de temas, o que fiz de imediato. Disse a ele, por que você não escreve sobre essa falácia da indústria cultural brasileira, resumida nesses três pontos:
 
a) música gospel é todo e qualquer gênero musical de confissão evangélica
 
b) música religiosa é todo e qualquer gênero musical de confissão católica
 
c) toda e qualquer confissão religiosa não cristã é “cultura brasileira”.
 
1. Por que grande parte do repertório de Roberto Carlos não está na categoria (comunicação) religiosa (ou Catolic Music)?
2. Por que Alindo Cruz, Zeca Pagodinho,Clara Nunes e muuuitos outros não são classificados segundo a confissão religiosa (Umbanda Music?), mas de acordo com os aspectos musicais?
3. Se a Indústria Cultural é um Artefato, quem concebeu e por quais interesses se construiu tais estruturas no Brasil?
 
 
Bem, o mais curioso ainda é que o rapaz aceitou o desafio e escreveu o tal artigo. A Escola de Comunicação e Artes da USP deve estar lendo agora a tese que foi apresentada pela primeira vez aqui no Blog e que agora começa a fazer sentido para acadêmicos pelo Brasil a fora. A ideia é simples e foi resumida assim pelo rapaz:
 
 “Este artigo proposto na disciplina Teoria da Comunicação se dedica a explanar o mercado musical brasileiro, considerando seu repertório como meio de comunicação que promove integração e desenvolvimento, mas destaca a logomaquia no dualismo gospel/secular que revela as contradições produzidas pela indústria cultural e propõe uma solução na adequação morfológica de gospel para música brasileira de raiz cristã.  Para tanto, apresenta breve histórico a respeito da arte e religião, fazendo referência às correntes filosóficas de cada época, expõe a atual situação do mercado musical brasileiro apontando sobre que estruturas e interesses este é condicionado e aponta um pós-movimento-gospel.”
 
[Victor Gomes Barcellos - A logomaquia do mercado secular/gospel na  Música Brasileira, Dezembro de 2013]
 
Victor na USP, Marina na UnB, Alyne no IFRN (ainda falo delas) e tantos outros espalhados pelo Brasil, começam a produzir conhecimento e levar a sério a nossa tese de que nesse tanto de brasis misturados na amálgama brasileira, existe o Brasil dos que produzem arte, música, cultura, entretenimento, etc…, a partir de uma visão de mundo cristã.  Certamente essa produção não cabe no que se convencionou chamar, por diversos interesses extra-artísticos, de mercado religioso.
 
Recebo essas notícias no mês em que um artigo meu foi parar na coletânea “Formação Sociocultural e Ética” do CESUMAR (Centro Universitário de Maringá). Bons motivos para comemorar! E estamos apenas com dois anos de Blog.
 
Bons ventos!
 
Deus nos guie.
 
Abraço demorado e especial para os leitores que não só curtem a página, mas já partiram para a invenção!
 
 
- Marcos Almeida

veja também