PG ganha primeiro disco de platina desde que era do Oficina G3

PG ganha primeiro disco de platina desde que era do Oficina G3

Atualizado: Quarta-feira, 16 Junho de 2010 as 4:52

Após dois anos desde que lançou o CD "Eu Sou Livre", o cantor PG recebeu a notícia de que o segundo álbum de sua carreira solo ultrapassou a marca de 100 mil cópias vendidas e alcançou o disco de platina pela gravadora MK Music.

PG, que já foi vocalista da banda Oficina G3, disse que a premiação não foi surpresa, pois a gravadora o mantinha informado do aumento dos números de vendas. "Eu até publiquei no twitter: ‘Gente, meu CD está chegando a 100 mil cópias e acredito que dentro de um mês a gente consiga alcançar a meta’. No dia seguinte, do nada, a gravadora publica a nota oficial e apareceu também na ABPD (Associação Brasileira de Produtores de Discos) que é um veículo secular", relata PG.

O cantor conta também que, embora ele estivesse esperando o disco de platina, a concretização do prêmio foi muito rápida: "Eu acreditava que isso ia acontecer, mas eu não esperava que fosse ser tão rápido, por mais que este CD tenho quase dois anos e meio. Ainda mais com o mercado fonográfico, hoje, que sofre com a pirataria".

Ele se diz muito feliz pela conquista: "Eu fiquei muito contente e grato a Deus, porque na verdade é o primeiro disco de platina meu desde a época do Oficina G3". PG também comenta que é muito bom ter o reconhecimento profissional, mas o melhor é a identificação do público. "Se eu cheguei à 100 mil cópias foi porque as pessoas estão comprando e elas compram porque gostam e isso é muito gratificante. Eu quero retribuir da melhor forma possível, ou seja, fazendo uma boa música, um bom trabalho e acima de tudo sendo honesto e sincero diante de Deus. Eu quero que as pessoas vejam na minha vida, o que eu prego e toco nas minhas músicas".

O músico ainda afirma que as pessoas o reconhecem não apenas com a música que ele faz e sim com a sua pessoa. "Eu vivi uma época da minha vida como cantor cristão que as pessoas se identificavam apenas com as músicas. Hoje, eu vejo as pessoas se identificando com o artista e isso é importante. Então, hoje as pessoas ouvem e gostam da minha música porque elas gostam de mim. Elas acreditam no meu trabalho, na minha vida e na palavra que eu tenho ministrado, não só a Palavra de Deus, mas na minha vida como caráter de cristão".

E ainda acredita que o Senhor usa a sua vida como canal de benção: "Eu sou um músico, eu uso do meu talento, da minha música para evangelizar e levar vida para Jesus e da minha palavra como Pastor também, eu procuro ser honesto, em primeiro lugar comigo mesmo diante de Deus, e essa honestidade passar para as pessoa. E eu sou muito grato a Deus por isso e espero continuar assim".

Em entrevista ao GUIA-ME.com.br, o compositor também aproveitou para compartilhar uma experiência em que foi cantar em uma igreja onde estavam muitas senhoras e ali ele as viu cantando suas músicas, não só as lentas, mas também o rock também. Ele disse que percebe uma mudança, mesmo que gradativa. "Não sou um cantor que é tocado em todas as igrejas, ainda tem uma restrição, infelizmente, pelo fato do estilo rock".

Quanto ao álbum mais recente, "A Conquista", ele diz que espera o melhor: "Quem fala que não espera é fariseu mentiroso e eu vou ser o contrário disso", brinca o cantor.

Lançado em fevereiro deste ano, o CD já conta com novos projetos segundo o cantor. "A gente está lutando para que esse CD também tenha um DVD. Porque o DVD ajuda muito, né? O CD é legal, mas quando você tem uma imagem é muito mais. As pessoas veem você ali, o seu trabalho, como é a sua ministração. A gente ta batalhando pra isso. Tenho uma reunião agora com a gravadora no meio do ano e a gente vai discutir esse projeto".

Por: Débora Padoin Malva

veja também