Pr. Antônio Cirilo comenta PEC da Música: "É o mercado, amigos"

Pr. Antônio Cirilo comenta PEC da Música: "É o mercado, amigos"

Atualizado: Quarta-feira, 9 Outubro de 2013 as 7

Pr. Antônio Cirilo comenta PEC da Música: "É o mercado, amigos"Foi aprovada no final de setembro deste ano, no senado, a chamada "PEC da Música", que isenta de impostos, os CDs e DVDs com obras musicais de artistas brasileiros.
 
Falando com exclusividade ao Portal Guiame, o conhecido ministro de louvor e líder do Ministério Santa Geração, Pr. Antônio Cirilo e também o diretor A&R da Sony Music Gospel no Brasil falaram sobre a nova lei e deram suas opiniões a respeito dos efeitos que ela pode causar na música cristã nacional.
 
Segundo Maurício Soares, esta nova lei surge como um tipo de incentivo para a indústria fonográfica nacional, que tem lutado contra grandes obstáculos, como a pirataria.
 
"É, sem dúvida, muito positiva esta isenção para os impostos em CDs e DVDs, pois a indústria fonográfica precisa de incentivos para seguir atuando em nosso país. Depois de tantos anos de notícias ruins e de todos os problemas causados pela pirataria, finalmente recebemos uma boa notícia", afirmou.
 
Apesar de celebrar a notícia, Maurício lembrou que esta lei não é simplesmente um incentivo, mas também uma tentativa por parte do governo de amenizar uma "injustiça praticada junto à música nacional", como ele mesmo citou.
 
"Na verdade, o governo está contornando uma grande injustiça praticada junto à música nacional, pois em minha opinião, é justamente a música quem melhor representa a cultura brasileira no país e exterior. A indústria editorial tem uma série de benefícios por representar nossa cultura e a partir de agora, a música entra neste mesmo patamar", frisou.
 
Na opinião do Pr. Antônio Cirilo, apesar da isenção de impostos - o que é citado por ele como algo sempre positivo - a PEC da Música não será um grande diferencial na música do artista cristão. Segundo o líder do Santa Geração, o que lhe resta fazer é parabenizar as gravadoras por essa vitória.
 
"Isenção de impostos é sempre bem-vinda, pois os impostos no Brasil são altos e são fator que inviabiliza projetos em todos os segmentos, incluindo a mídia. Para nós que vivemos da música nada muda, a não ser que a PEC da música obrigasse as gravadoras a repassar aos artistas o desconto concedido, como isto não ocorrerá temos somente que parabenizar as gravadoras por mais esta conquista. As gravadoras são as únicas beneficiárias neste caso", declarou.
 
Cirilo lembrou que a venda de CDs e DVDs não aumentará de fato com a aprovação desta lei. Segundo o ministro de louvor, o que realmente ajudaria os cantores e bandas nacionais, seria um sério programa de combate à pirataria. Porém também não vê grandes possibilidades disso acontecer.
 
"Isso não aumentará a venda de CDs e DVDs, as gravadoras não irão reduzir o preço do produto, vão ganhar a mesma coisa, vão gastar menos e vão continuar nos pagando o mínimo. É o mercado, amigos. Para nós o ideal seria um programa sério de combate à pirataria, isto ajudaria, mas, sei que a palavra 'sério' já força um pouco. Então ficarei por aqui", finalizou.
 
Por João Neto - WWW.GUIAME.COM.BR

veja também