Ronaldo "Cordas" fala sobre arranjos do novo DVD do Renascer Praise

Ronaldo "Cordas" fala sobre arranjos do novo DVD do Renascer Praise

Atualizado: Terça-feira, 1 Março de 2011 as 4:28

Ronaldo de Oliveira SIlva, que no twitter assina como Ronaldo "Cordas", começou seus estudos de música aos 10 anos de idade, estudando flauta transversal no antigo Conservatório Musical Heitor Villa Lobos.

Nascido em berço cristão, de família assembleiana, sempre teve contato com música na igreja. Começou escrevendo arranjos para a orquestra da Assembléia de Deus do Belenzinho onde exercitava seus estudos de harmonia e orquestração.

Participou como arranjador de alguns cds do seguimento gospel, mas em 2003 escreveu os arranjos de cordas do Renascer Praise 9, indicado ao produtor musical Esdras Gallo pelo amigo e maestro Gilberto Massambani que regeu a orquestra no dvd do mesmo projeto.

A partir deste disco, seu trabalho como arranjador ficou mais notório, levando-o a outras parcerias com outros produtores musicais como; Paulo Cesar Baruk, Ruben Morais, Ed Oliver, Paulo Rogério, Melk Carvalhedo, Levi Williams, Ronny Barboza, Danilo Melo, Giba Apolinário, Jean Angelotti, Fabio Mariano, Merewilton Lages, Wesley Ros, entre outros.

Em 2010 participou de alguns álbuns lançados pela Sony Gospel, como : Renascer Prase 16, Mininstério Alem do Véu, Elaine de Jesus e agora em Fevereiro de 2011, do recente trabalho da cantora Brenda, produzido por Ruben di Souza.

Sobre o seu trabalho no RP 16 é que ele conta um pouco da sua experiência como arranjador e nos fala do cotidiano do seu trabalho.

Maestro Ronaldo Oliveira, qual o seu setup atual?

Atualmente eu uso um PC e escrevo os arranjos através de um software de edição de partituras chamado Sibelius.

Mas no começo, isso a 14 anos atrás, era no papel pautado mesmo. (risos)

Você escreve e testa o arranjo de forma digital?

Além do Sibelius, uso um programa para edição de áudio chamado Cubase. Existe uma tecnologia recente chamada REWIRE que permite que dois programas trabalhem simultaneamente. Então ouço as bases que recebo para fazer os arranjos de cordas ou metais no Cubase e ao mesmo tempo vou escrevendo no Sibelius.

Mas isso é uma tecnologia muito recente. Antes disso se tornar possível eu cifrava todas as músicas primeiro, fazia um rascunho e depois escrevia o arranjo já finalizado no Sibelius.

Precisou adquirir algum equipamento ou tecnologia extra para gravação do RP 16?

Não. durante o RP 16 especificamente não.

Quais foram as músicas do RP 16 que você arranjou?

Bem, foram as seguintes: "Som do Louvor", "Não Aceito Ser Mais Um", "Poder da Oração", "Tempo de Cura", "Toca em Mim", "Fé", "Há um Lugar" e "Falando em Mistérios". São as músicas que tem cordas (Violinos, violas e cellos), as músicas que tem metais (Trompete, Trombone e Saxofones) são arranjos do Pr. Esdras Gallo. Dividimos assim em todos os cds, desde o vol. 9. O Pr. Esdras escreve as "pauleiras" e eu as "romanticas" (risos).

Qual o papel do arranjador de cordas no processo de gravação?

O papel primordial de um arranjador é sempre o de ser sutil (risos). As cordas ou os metais num processo de produção musical são complementos e uma das maiores dificuldades é complementar sem atrapalhar o que já foi feito.

Costumo dizer que sou "caçador de brechas"(risos). Existem músicas em que já são carregadas de informação e ai pouco se exige do arranjador. No RP, eu e o Pr. Esdras Gallo sempre conversamos a esse respeito.

A própria Bispa Sônia gosta muito das cordas e sempre me deu total liberdade para trabalhar. Mas isso não significa que eu precise compor uma "sinfonia". É um arranjo complementar de cordas (risos).

Temos a introdução e as vezes, os intermezzos (solos do meio da música) para "brincar", mas sem exageros. Durante a música mesmo, "menos" é sempre "mais".

Existe alguma história por trás da concepção de um arranjo? Existe algum conceito que você queira passar para o ouvinte?

Toda vez que faço um arranjo procuro ouvir a música algumas vezes, até que ela fique bem "firme" na minha memória. Como sempre escrevo para canções, ou seja, letra e música, a música é sempre um suporte para o que a letra descreve.

Há sempre uma preocupação de tornar o arranjo participante do discurso, dando enfase onde é necessário. Mas isso tudo depende muito do que já foi escrito para a base.

No RP, felizmente, o Pr. Esdras é muito cuidadoso nesse quesito. Quando recebo as bases pra escrever as cordas, normalmente o arranjo de base facilita muito meu trabalho.

Poderia citar alguma particularidade em relaçâo a alguma música desse repertório do Renascer Praise?

No RP 16 os arranjos são mais convencionais, eu diria. Mas nos cds anteriores tem algumas coisas. Não vou "entregar" o ouro (risos), mas se vocês ouvirem com atenção a música "Povo Apostólico" e "Incomparável" do RP 11, vão encontrar muitos detalhes nos arranjos de cordas.

Na primeira (Povo Apostólico) que tem uma abertura instrumental de quase 2 minutos, eu compus a abertura a partir de um "tema de guerra" que tem na música. Um tema de 4 notas Oh oh oh oh (Dó Sol Ré Do). Desenvolvo a abertura com esse elemento.

E na segunda música (Incomparável) eu usei esse mesmo tema lá no meio da música. Ouçam as duas músicas atentamente e encontrarão esses "gracejos" (risos)

Você tem algum arranjo favorito nessa gravação?

Sim, no RP 16 ouvi atentamente as 9 faixas das quais escrevi cordas. A que mais me tocou foi "Há um Lugar". Foi a primeira que escrevi, emocionado!

Qual foi a mais dificil de escrever?

A mais difícil de escrever foi sem dúvidas "Toca em Mim" porque nos 9 anos que participo do RP ainda não tínhamos gravado nada parecido. Uma canção que tem uma leve influência de Beatles. Adequar isso ao estilo de arranjos de cordas do RP deu um certo trabalho. Foi a última que escrevi.

E qual foi a mais fácil?

A que escrevi mais rápido, não a mais fácil, porque escrever RP sempre é muito complexo, foi "Falando em Mistérios". Nessa as cordas são bem sutis.

No dia da gravação você regeu a orquestra do RP 16?

Não. Em 8 cds do RP eu nunca regi no dia da gravação do dvd. Só em estudio. Não por falta de convites, tanto do Pr. Esdras quanto da Bispa Sônia. Acontece que a orquestra oficial da igreja, que é a que aparece nos dvds, tem um maestro fixo, que trabalha tempo integral com os músicos atendendo aos compromissos da igreja.

Nunca achei justo, no dia da filmagem eu aparecer lá e reger. Os maestros que já regeram a Orquestra Renascer foram: Gilberto Massambani (RP 9), Vladimir Zolnerkevic (RP 10 ao 15) e atualmente, Edmilson Gomes (Chiquinho) no RP 16.

Pra terminar. Quais são os seus planos para 2011. O que ja está pronto e o que esta sendo produzido?

2011 começou com muito trabalho, graças ao bom Deus. Participei do cd da Brenda, produzido pelo experiente e competente Ruben di Souza, uma honra pra mim fazer parte deste projeto.

E outros artistas pentecostais cujos projetos ainda não posso falar. (risos). E estou produzindo um trabalho que ainda é "off". Surpresas pra 2011 !

Poderia deixar um recado pra galera do supergospel?

Sim, um que considero de suprema importância. Dediquem-se à musica, estudem, ouçam de tudo e retenham o que é bom. Mas nunca se esqueçam de dedicar todo esse conhecimento a Deus, que é o Senhor de todas as coisas e merece não apenas nossa música e nossa dedicação, mas nossa vida em sua plenitude ! Agradeço o espaço. Deus vos abençoe.

Por Roberto Azevedo

veja também