Vocalista da Black Rio, Jadiel Oliveira comenta em entrevista os desafios de ser cristão e sua atuação no meio secular

Músico cristão, Jadiel Oliveira é sucesso na música secular

Atualizado: Quarta-feira, 4 Abril de 2012 as 7:48

Ele já compartilhou o palco com Renascer Praise, DJ Alpiste, Pregador Luo, Ao Cubo, Soraia Moraes, entre outros destaques da música gospel nacional. O ex-vocalista do grupo de rap cristão Juízo Final, Jadiel Oliveira, começou sua carreira musical dentro dos templos evangélicos.

Hoje, o músico cristão, vem traçando uma carreira de sucesso dentro da música secular brasileira. Vocalista da Black Rio, banda que mistura funk, samba, jazz e ritmos brasileiros e é uma das maiores referência musical no meio secular – Jadiel Oliveira já dividiu os palcos com artistas seculares como: Mano Brown, Paula Lima, Seu Jorge, Elza Soares, Ed Motta, entre outros.

Em entrevista exclusiva ao GUIAME, o músico compartilhou sobre a música gospel atual, os desafios de ser cristão e sua atuação de sucesso no meio secular. Confira:
 
Iniciação na música
“Comecei na música com sete anos de idade tocando bateria, com doze anos passei a estudar violão, mas foi somente com catorze que comecei a cantar na igreja e simultaneamente também no secular. A igreja foi minha grande referência musical, minha mãe tocava clarinete e meu tio era maestro. Cresci escutando grandes artistas seculares como Elis Regina, Milton Gonçalves desde pequeno e artistas evangélicos também fizeram parte da minha vida musical, cantores como Vittorino Silva, Oseias de Paula, Feliciano Amaral, Luís de Carvalho foram grandes influências para mim”.
 
Música gospel atual no Brasil
“Não se reinventa mais a música gospel no Brasil. Lembro quando o Kadoshi (coral Black cristão) começou a tocar usando todo um lance cênico e visual, com as roupas afro e cantando um groove, também o Rebanhão, Vencedores por Cristo, João Alexandre que se preocupavam com a poética das letras e buscavam referências, hoje o que vemos é uma imitação de estilos. Da nova safra da música gospel eu gosto de escutar Daniela Araujo – que para mim está indo muito bem; Thalles Roberto que vem fazendo uma trabalho diferente, mas acho que os músicos cristãos entraram em uma zona de conforto onde todos cantam músicas sobre a chuva de bênçãos, a felicidade que Deus proporciona,a vitória em Jesus e o que costumo chamar de “cristão-ajuda”.Particularmente e musicalmente para mim não agrega e não se eternizam mais cantores gospel como antigamente”.
 
Interesse da música secular nos artistas cristãos e o investimento das igrejas
“A qualidade e a experiências dos músicos cristãos tem despertado um interesse muito grande do meio secular, sempre foi assim. Os músicos evangélicos são os melhores do mundo, mas acredito que as mega-igrejas não investem mais nos músicos tanto quanto as igrejas menores. Igrejas muito grandes - oriundas do neopentecostalismo - se tornaram plásticas, onde as pessoas entram, ouvem a mensagem e vão embora. As denominações mais antigas como Batista, Assembleia de Deus, Presbiteriana investem em criar raízes, em formar pessoas e as crianças são motivadas a começarem a tocar, estudar partitura, tocar nas orquestras. Os melhores backing vocals dos grandes cantores seculares são de berço evangélico pela versatilidade que eles apresentam”.
 
Música secular versus música gospel
“As pessoas às vezes me criticam por cantar músicas seculares, porém, eu não entendo. Na minha visão existem músicas que falam de Deus explicitamente  e músicas que não falam. Em algumas músicas conhecidas entre os evangélicos como ‘do mundo’ eu consigo enxergar uma mensagem cristã e uma inspiração vinda diretamente de Deus. Algumas canções são dadas por Deus, por isso eu gosto de dizer que música é música. Já fui a shows gospel e vi membros de igreja cantando música secular, as pessoas ouvem música secular, sim. Temos que abandonar a segregação e dar valor para o lado cultural da música independente de religião”.
 
Dicas para músicos cristãos que querem se profissionalizar
“Quando trabalhei como funcionário integral de uma igreja e cuidando da área de louvor eu descobri que não tinha mais um pastor e sim um patrão, tinha medo de mostrar meu lado ovelha porque ali eu era um funcionário que tinha que dar resultado. Eu desenvolvi crises de ansiedade dentro da igreja porque era pressionado demais e por isso apoio quando músicos cristãos resolvem se profissionalizar fora dos templos, mas aviso que é melhor estar dentro da igreja porque colocar o pé lá fora exige estrutura emocional e física, mas, se você não consegue mais trabalhar na igreja como eu não consegui saiba que a pressão e cobrança no secular são enormes também, então tenha certeza absoluta que é isso que você quer. Para ter sucesso na musica secular é preciso criar um diferencial, associe-se, esteja nos lugares, peça para dar ‘canja’ nas apresentações, esse é um dos caminhos possíveis para começar a ser conhecido secularmente”.
 
Música gospel como mercado
“Faz tempo que a música gospel abandonou a mensagem de Cristo para uma mensagem vendável. Atualmente, grande parte das músicas é feita para dentro da igreja, difícil encontrar músicas que preguem diretamente o evangelho. Hoje tudo é mercado e quando vou a feiras evangélicas ficou muito triste ao perceber que a fé virou alvo de lucro. Para mim o rap cristão tem fugido da cena mercantilista para passar a mensagem de Deus, por exemplo, Pregador Luo é um dos que cantam para compartilhar a mensagem da cruz para os incrédulos, o Alpiste também. Mas o que me assusta é que as pessoas não entendem a música gospel, poderia ser mais simples, como Jesus sempre fez”.
 
Estrelismo gospel
“Me assusto com o posicionamento de alguns cantores evangélicos atuais que vivem como milionários que só querem se apresentar em palcos gigantes e cantar para milhões de pessoas. Não vejo problema em comprar carros, casas e bens materiais com o dinheiro que eles ganham no gospel mas, voltem a essência verdadeira, sem estrelismo, sem fotos, sem autógrafos. Toquem nas praças públicas, continuam pregando o evangelho aos necessitados, deixem o ego de lado e compartilhe a mensagem da cruz”.
 
Jesus no meio secular
“Sou alvo de criticas por cantar no meio secular, possivelmente depois desta entrevista muitos vão me criticar ainda mais. Porém eu falo de Jesus tranquilamente em todos os meus shows. Eu subo no palco agradeço a Deus não importa se estou cantando na Rua Augusta em São Paulo ou no meio de uma favela, onde estiver me apresentando  eu vou falar de Jesus. Canto para fazer bem para as pessoas e quando me perguntam por que sou diferente eu digo que Cristo vive em mim e isso faz toda diferença. Atualmente eu frequento a igreja Casa da Rocha, em São Paulo, do bispo Zé Bruno, eu vou todo domingo e me sinto bem lá porque é uma igreja que tem procurado voltar para o evangelho genuíno e acho que a música gospel também deveria voltar para essa essência. A realidade do mundo hoje é outra, vivemos uma sociedade precoce, adolescentes de catorze anos já se assumem gays. Não estou falando contra os homossexuais, mas, me pergunto o que os músicos evangélicos fazem hoje para compartilhar o amor de Cristo para eles? Esqueçam os troféus, os discos de ouro e voltemos à essência do louvor e adoração”.
 
Igrejas evangélica no Brasil
 “A igreja atual não consegue lidar com o diferente. Podemos visualizar isso na questão da homossexualidade, recentemente assisti um culto e o pastor passou boa parte da noite criticando os homossexuais e vociferando sobre o quão pecador eles eram. Ao final do culto eu o procurei e perguntei o que eles faziam para evangelizar os gays e que estrutura eles tinham para atender isso e ele respondeu: Nada. Neste momento acredito que o Diabo está feliz em ver toda essa divisão e essa ganância que temos visto entre os líderes evangélicos atuais”. 

Por Pollyanna Mattos
Fonte: www.guiame.com.br 

veja também