MENU

Ambev tem lucro de R$ 3,9 bilhões no 1º semestre de 2011

Ambev tem lucro de R$ 3,9 bilhões no 1º semestre de 2011

Atualizado: Quinta-feira, 11 Agosto de 2011 as 9:59

A Ambev registrou lucro líquido normalizado de R$ 3,9 bilhões no primeiro semestre deste ano, um crescimento de 21,1% em relação aos seis primeiros meses do ano anterior. Só no segundo trimestre, o lucro líquido normalizado foi de R$ 1,8 bilhão, 20,4% superior ao do mesmo período de 2010, divulgou nesta quinta-feira (11) e empresa.

Os valores correspondem à América Latina Norte, América Latina Sul e Canadá. De acordo com a Ambev, o termo normalizado representa os dados antes de itens não-recorrentes, como receitas ou despesas que não ocorrem no curso normal das atividades da empresa.     O lucro normalizado por ação do acumulado até junho ficou em R$ 1,26, 20,8% superior ao registrado no primeiro semestre de 2010, divulgou a empresa.

A Ambev registrou Ebitda (lucro antes dos juros, impostos, depreciações e amortizações) normalizado de R$ 5,7 bilhões nos seis primeiros meses de 2011, resultado orgânico 10,9% superior ao alcançado no mesmo período de 2010.

O volume total de vendas da Ambev no primeiro semestre apresentou queda orgânica (refletem o desempenho da companhia sem considerar os efeitos das oscilações cambiais e de mudanças de escopo) de 0,3% em relação ao mesmo intervalo de 2010, e atingiu 77 milhões de hectolitros.

Na mesma comparação, o volume de cerveja vendido caiu 0,2%, enquanto o volume de RefrigeNanc (não-alcóolicos e não-carbonatados) caiu 0,8%. A receita líquida de vendas aumentou 8,5% organicamente e somou R$ 12,4 bilhões no semestre, de acordo com nota divulgada nesta quinta-feira.

Já no segundo trimestre, o Ebitda normalizado registrou aumento orgânico de 9% em relação a igual intervalo do ano passado, encerrando o período em R$ 2,6 bilhões. Na mesma comparação, o volume total de vendas apresentou queda de 0,9%, totalizando 36,2 milhões de hectolitros de bebidas vendidos. Do total, 26,1 milhões de hectolitros foram de cerveja e 10,1 foram de RefrigeNanc.

Brasil

A operação da Ambev no Brasil alcançou um Ebitda normalizado de R$ 4,2 bilhões no semestre, crescimento orgânico de 10,7% sobre os seis primeiros meses de 2010.

Até junho, a receita líquida ficou em R$ 8,5 bilhões, aumento orgânico de 7,3%. O volume total de vendas de bebidas no país chegou a 52,5 milhões de hectolitros no semestre, uma queda orgânica de 1,3%.

Só em cerveja, a queda de volume foi de 1,1%, chegando a 39,2 milhões de hectolitros vendidos. As receitas com cerveja atingiram R$ 7,1 bilhões, o que representa um crescimento orgânico de 8,8%. Em RefrigeNanc, a queda do volume de vendas no mercado brasileiro foi de 2% em termos orgânicos e as receitas registraram alta orgânica de 0,2%, para R$ 1,3 bilhão.

O segundo trimestre no Brasil alcançou um Ebitda normalizado de R$ 1,85 bilhão, crescimento orgânico de 9,9% sobre mesmo período do ano anterior. Mantendo a mesma comparação, a receita líquida foi de R$ 3,9 bilhões, aumento de 4,3%.

“Impactado por uma base de comparação elevada (devido à Copa do Mundo de 2010), pelo desaquecimento da indústria e pelo aumento da carga tributária federal , o volume total de vendas da Ambev no Brasil do segundo trimestre desse ano apresentou queda de 1,6%, totalizando 25 milhões de hectolitros vendidos”, diz a empresa, em nota.

Em cerveja, o volume de vendas foi de 18,4 milhões de hectolitros, queda de 2,6%. A receita líquida da categoria cresceu 5,3%, chegando a R$ 3,2 bilhões. A média brasileira de market share em cerveja no trimestre foi de 69%. O volume de RefrigeNanc avançou 1,3% no país, com um total de 6,5 milhões de hectolitros vendidos.

Investimentos 2011

Mesmo com o aumento da carga tributária para o setor de bebidas ocorrido no mês de março, a Ambev manteve, para 2011, seu plano de investir até R$ 2,5 bilhões no Brasil para expandir sua capacidade de produção e atender a demanda de curto e médio prazo. De acordo com a empresa, do total, R$ 1,4 bilhão já foi empregado em obras de ampliação, manutenção e modernização de unidades como Piraí (RJ), Cebrasa (GO), Sete Lagoas (MG), Aquiraz (CE) e Maltaria Passo Fundo (RS), entre outras.            

veja também