MENU

Após queda mercado volta a subir previsão de inflação para 2011 e 2012

Após queda mercado volta a subir previsão de inflação para 2011 e 2012

Atualizado: Segunda-feira, 11 Julho de 2011 as 9:45

Os analistas do mercado financeiro voltaram a subir sua previsão para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 2011 e de 2012, segundo informações divulgadas nesta segunda-feira (11) pelo Banco Central por meio do relatório de mercado, também conhecido como Focus. O documento é fruto de pesquisa com os economistas do mercado financeiro, realizada na última semana.

Para este ano, a previsão dos economistas dos bancos para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que serve de referência para o sistema de metas de inflação do governo federal, passou de 6,15% para 6,31%. Com isso, foi interrompida uma série de nova quedas consecutivas. Para 2012, a estimativa dos economistas também subiu, passando de de 5,10% para 5,20%. Este indicador, por sua vez, recuava há duas semanas seguidas.

O aumento da estimativa de inflação do mercado financeiro aconteceu após a divulgação do IPCA de junho, que somou 0,15% e acumulou alta de 6,71% em doze meses . Mesmo com a queda frente ao resultado de maio, quando o IPCA avançou 0,47%, o indicador do mês passado ficou acima da expectativa do mercado financeiro. No boletim Focus da semana passada, a previsão média dos economistas era de que do IPCA de junho subisse apenas 0,05%. Para o IPCA de julho, a previsão dos analistas dos bancos avançou de 0,16% para 0,20%.

Sistema de metas de inflação

Pelo sistema de metas de inflação, que vigora no Brasil, o BC tem de calibrar os juros para atingir as metas pré-estabelecidas. Neste momento, a autoridade monetária já está nivelando a taxa de juros para atingir a meta do próximo ano. Em 12,25% ao ano, a taxa está no patamar mais alto desde o começo de 2009.

Para 2011 e 2012, a meta central de inflação é de 4,5%, com um intervalo de tolerância de dois pontos percentuais para cima ou para baixo. Deste modo, o IPCA pode ficar entre 2,5% e 6,5% sem que a meta seja formalmente descumprida.

Taxa de juros

O mercado financeiro também passou a prever uma subida maior dos juros neste ano. Após o aumento da taxa, pelo BC, para 12,25% ao ano em junho, a previsão dos analistas das instituições financeiras passou a ser de que a taxa básica da economia terminará este ano em 12,75% ao ano.

Isso quer dizer que os analistas dos bancos seguem acreditando em mais um aumento de 0,25 ponto percentual nos juros na próxima semana - quando está marcada a próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do BC, e, também, mais uma elevação em setembro, para 12,75% ao ano.

A subida dos juros em setembro, até o momento, não estava vinha prevista pelos economistas. Para o fim de 2012, a projeção ficou inalterada em 12,50% ao ano. Isso pressupõe uma queda de 0,25 ponto percentual no decorrer do ano que vem.

Crescimento econômico e câmbio

O mercado financeiro manteve, na semana passada, a sua estimativa para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2011 em 3,94%. Para 2012, a previsão do mercado de crescimento da economia brasileira ficou estável em 4,10%.

Nesta edição do relatório Focus, a projeção do mercado financeiro para a taxa de câmbio no fim de 2011 permaneceu inalterada em R$ 1,60 por dólar. Para o fechamento de 2012, a previsão do mercado financeiro para a taxa de câmbio recuou de R$ 1,69 para R$ 1,68 por dólar.

Balança comercial

A projeção dos economistas do mercado financeiro para o superávit da balança comercial (exportações menos importações) em 2011 subiu de US$ 20 bilhões para US$ 20,06 bilhões na semana passada.

Para 2012, o BC revelou nesta segunda-feira que a previsão dos economistas para o saldo da balança comercial recuou de US$ 10,10 bilhões para US$ 10 bilhões de superávit.

No caso dos investimentos estrangeiros diretos, a expectativa do mercado para o ingresso de 2011 subiu de US$ 52 bilhões para US$ 52,20 bilhões. Para 2012, a projeção de entrada de investimentos no Brasil avançou de US$ 45 bilhões para US$ 47,5 bilhões.            

veja também