MENU

Após retaliação, congresso dos EUA ameaça tirar benefícios do Brasil

Após retaliação, congresso dos EUA ameaça tirar benefícios do Brasil

Atualizado: Quinta-feira, 11 Março de 2010 as 12

O Congresso americano está ameaçando retirar as vantagens tarifárias que alguns produtos brasileiros recebem ao entrar no mercado dos Estados Unidos por causa da retaliação aos subsídios do algodão.

"As ações do Brasil nesse caso são um indicador único e muito útil para avaliar se é hora de reconsiderar os benefícios que o país recebe nos programas de comércio preferencial dos EUA", afirmaram líderes democratas e republicanos da Comissão de Agricultura do Senado.

Os líderes se referem ao Sistema Geral de Preferências (SGP), programa que contempla a indústria brasileira, reduzindo as tarifas de importação para cerca de 10% das exportações do Brasil para os Estados Unidos. Entre os produtos beneficiados estão máquinas, autopeças, aço e químicos. Em 2008, o Brasil vendeu US$ 2,8 bilhões aos Estados Unidos por meio do SGP.

Em um comunicado conjunto, a presidente da Comissão da Agricultura, senadora democrata Blanche Lincoln, e o vice-presidente, o senador republicano Saxby Chambliss, fizeram duras críticas ao governo brasileiro. "Desafortunadamente, o Brasil seguiu adiante com a retaliação sem se engajar em negociações significativas para resolver essa disputa", disseram os senadores.

Retaliação

Na segunda-feira, dia 8, o governo brasileiro divulgou uma lista de 102 produtos cujas tarifas de importação devem subir dentro de 30 dias por conta dos prejuízos causados à economia brasileira pelo subsídio que o governo americano concede a seus produtores de algodão.

Na próxima semana, o país deve anunciar também a lista de retaliação em patentes e royalties, um tema ainda mais sensível para os Estados Unidos.

Negociação

No comunicado, os senadores afirmam que o Brasil deve fazer o primeiro movimento na negociação. "Não podemos negociar com um parceiro que não deixa claro o que quer", ressaltaram. A posição brasileira é aguardar uma proposta americana.

O senadores já adiantavam que os altos funcionários americanos que estiveram no país esta semana não trariam nenhuma proposta concreta. "A administração nos assegurou que os funcionários americanos não estão levando uma proposta", afirmaram.

Na quarta-feira, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu ao presidente ao dos Estados Unidos, Barack Obama, que coloque uma equipe do governo americano para negociar "rapidamente" com o governo brasileiro a decisão da Organização Mundial do Comércio (OMC) que autorizou o Brasil a retaliar produtos dos EUA.

veja também