MENU

Arrecadação bate recorde em agosto, mas ritmo de crescimento diminui

Arrecadação bate recorde em agosto, mas ritmo de crescimento diminui

Atualizado: Quinta-feira, 22 Setembro de 2011 as 11:29

A arrecadação federal, que inclui impostos, contribuições federais e demais receitas, como os royalties, somou R$ 74,6 bilhões em agosto deste ano, informou nesta quinta-feira (22) a Secretaria da Receita Federal. Com isso, a arrecadação bateu novo recorde para meses de agosto.

A série histórica da Receita tem início em 1995. A Receita Federal informou ainda que este é, pelo menos, o oitavo mês consecutivo no qual a arrecadação bate recorde na comparação com o mesmo mês do ano anterior.

Na comparação com agosto de 2010, o crescimento real da arrecadação (com valores já corrigidos pela inflação) foi de expressivos 8,11%. Embora o crescimento tenha permanecido, o ritmo da expansão diminuiu, visto que, em junho e julho, o aumento real sobre igual período de 2010 superou a barreira dos 20%. O crescimento real de 8,11%, sobre agosto de 2010, é o segundo pior do ano, ficando abaixo apenas de maio (+7,18%).

Janeiro a agosto

No acumulado dos oito primeiros meses deste ano, ainda segundo informações do Fisco, a arrecadação federal totalizou R$ 630,46 bilhões. De acordo com o órgão, o valor é recorde para os oito primeiros meses de um ano.

Na comparação com o mesmo período de 2010, o crescimento real da arrecadação (com valores já corrigidos pela inflação) foi de 13,26%.

Sobre o período de janeiro a agosto do ano passado, o crescimento da arrecadação foi de R$ 107,94 bilhões. Isso sem a correção, pela inflação, dos valores arrecadados no ano passado. Este crescimento foi contabilizado com base no que efetivamente ingressou nos cofres da União.

Crescimento econômico

O principal fator que explica o crescimento da arrecadação em agosto, no acumulado deste ano, é a manutenção do crescimento da economia. O Fisco ainda não informou se a desaceleração da arrecadação em agosto é fruto do menor dinamismo da economia. De janeiro a agosto, a produção industrial cresceu 1,53%, abaixo dos 1,77% registrados até julho e dos 1,91% apurados no primeiro semstre.

A previsão dos economistas para este ano é de uma taxa de expansão próxima de 3,5% em 2011. A arrecdação, porém, tem se beneficiado do forte ritmo de crescimento do ano passado (7,5%), que culminou no maior pagamento do IR, neste ano, por parte das empresas - além de receitas extraordinárias, como o Refis da Crise e decisões judiciais em favor da União.            

veja também