MENU

BC está atento a sinais de desequilíbrio, diz Meirelles

BC está atento a sinais de desequilíbrio, diz Meirelles

Atualizado: Quarta-feira, 15 Setembro de 2010 as 3:26

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, afirmou nesta quarta-feira (15) que a autoridade monetária está sempre alerta a "sinais de desequilíbrios" na economia, mas evitou comentar diretamente a recente valorização do real.

"Nós estamos sempre procurando sinais de desequilíbrios, bolhas e etc., e sempre estamos alertas para que não haja desequilíbrios na economia", afirmou Meirelles a jornalistas quando questionado sobre eventuais preocupações com a alta do real.

O dólar acumula queda de 2,8% ante o real em setembro e a expectativa é de que a moeda norte-americana tenha baixas adicionais com a entrada de recursos estrangeiros, por conta da capitalização da Petrobras. Essa tendência tem alimentado a expectativa de que o BC volte a comprar dólares no mercado futuro por meio da operação conhecida como swap reverso.

"Nós não nos pronunciamos sobre ações futuras, ou (fazemos) comentários que possam levar a conclusões sobre ações futuras", disse Meirelles quando perguntado se há desequilíbrios no câmbio.

Estabilidade das políticas econômicas

Falando a jornalistas estrangeiros em Londres, Meirelles afirmou ainda que as políticas econômicas brasileiras atingiram um grau de estabilidade, o qual tem amplo apoio político e da população.

Segundo ele, o debate no Brasil não é mais sobre como lidar com a próxima crise, mas sobre como aumentar a tendência do crescimento econômico de longo prazo.

Nesse sentido, conforme Meirelles, o Brasil enfrenta uma série de desafios, incluindo reformas fiscais e investimentos em infraestrutura. Além disso, as companhias levam um longo tempo para estarem hábeis para iniciar seus negócios. Meirelles disse também que a taxa média de crescimento do país subiu porque a inflação foi controlada e o governo estabeleceu metas fiscais. De acordo com o presidente do BC, isso criou mais empregos, aumentou o consumo e a demanda por crédito.

"O melhor modo para explicar o que está acontecendo no Brasil é olhar para os bancos", disse. De acordo com Meirelles, os bancos brasileiros, em média, são mais fortes que muitos bancos estrangeiros semelhantes e esta condição saudável contribuiu para que o país se recuperasse rapidamente da crise financeira global.

veja também