MENU

Bolsas asiáticas sobem em meio a temores sobre solução para crise

Bolsas asiáticas sobem em meio a temores sobre solução para crise

Atualizado: Terça-feira, 20 Dezembro de 2011 as 9:56

A maioria das bolsas de valores asiáticas fechou em alta nesta terça-feira (20), mas a confiança do mercado permaneceu frágil por temores de que os esforços para conter a crise de dívida da zona do euro estejam falhando e de que regras mais duras para fortalecer o capital dos bancos possam reduzir seus lucros.

O humor nos mercados da Ásia já era avesso a riscos após a morte do líder norte-coreano Kim Jong-il, que gerou receios de instabilidade na região e desencadeou a venda de ativos de maior risco na segunda-feira, com os investidores transferindo dinheiro para a segurança do dólar. Profissionais do mercado disseram que os volumes baixos de negócios antes das festas de fim de ano podem exacerbar as oscilações de preços, mas que é improvável uma outra perda forte até que haja outro catalisador, como rebaixamentos de ratings soberanos na zona do euro.

O índice MSCI das ações da região Ásia-Pacífico com exceção do Japão subia 0,24% às 7h32, após declínio de 2,9% no dia anterior. O índice de Seul foi destaque, encerrando em alta de 0,91%, após tombo de 5% por causa da notícia da morte de Kim.

Em Tóquio, o índice Nikkei subiu 0,49%, saindo da mínima em três semanas atingida na segunda-feira.

"Não é nada mais que recompras em um mercado vendido, dadas as poucas notícias positivas para recuperar a confiança", disse Makoto Noji, estrategista sêniro da SMBC Nikko Securities.

Por outro lado, as vendas induzidas pelos problemas de dívida da Europa baratearam algumas ações asiáticas, como as dos bancos chineses, enquanto sinais de uma melhora na economia dos Estados Unidos levaram alguns gestores de capital dos EUA a aumentarem a posse de ações.

O mercado teve variação positiva de 0,06% em Hong Kong. A bolsa de Taiwan ganhou 0,44%, enquanto o índice referencial de Xangai recuou 0,10%. Cingapura retrocedeu 0,14% e Sydney fechou com desvalorização de 0,18 por cento.      

veja também