MENU

Compra de ações pelo BNDESPar já atinge R$ 42 bi

Compra de ações pelo BNDESPar já atinge R$ 42 bi

Atualizado: Sexta-feira, 1 Julho de 2011 as 9:19

O BNDESPar, braço de investimentos do BNDES, já investiu R$ 42,6 bilhões na compra de participações societárias em empresas das áreas de petróleo, telecomunicações, energia, mineração, celulose e até frigoríficos.

Esse foi o volume de recursos investidos em compra de ações durante o mandato do atual presidente do banco, Luciano Coutinho, que comanda a instituição desde abril de 2007.

Dentre as empresas onde a subsidiária de investimentos do BNDES aplicou o dinheiro estão gigantes como Petrobras e Vale, mas boa parte dos recursos foi destinada para processos de fusão como o do Pão de Açúcar e Carrefour.

Dentro dessa política foram criadas outras grandes "campeãs nacionais", como a Oi (telefonia), o JBS Friboi (carnes) e a Fibria (papel). Por meio do seu braço de participações, o banco se tornou sócio dessas empresas, aportando nelas dezenas de bilhões de reais.

Isso fez com que o BNDESPar aumentasse em cinco vezes o seu tamanho no período. Seu ativo total subiu de R$ 25 bilhões para R$ 125,8 bilhões, dos quais mais de 80% se referem a uma carteira de ações. A conta considera apenas os aportes diretos no capital das empresas. Não entram os empréstimos concedidos por linhas de financiamento do banco.

A participação direta do BNDES na criação de grandes grupos empresariais brasileiros é uma das principais estratégias traçadas por Coutinho, onde o BNDESPar tem sido cada vez mais agressivo dentro dessa política de criação de gigantes nacionais.

Empresas da área de carnes como a JBS/Bertin e a Marfrig obtiveram um total de R$ 6,85 bilhões do BNDESPar por meio de venda de fatia societária ou subscrição de debêntures conversíveis em ações. Esses valores não levam em conta os financiamentos concedidos a elas.

Na Vale, o BNDESPar aportou R$ 3,9 bilhões. Em seguida aparecem Votorantim Celulose e Papel (VCP), que mais tarde viria a se tornar a Fibria, e a Telemar (agora Oi), com R$ 1,8 bilhão e R$ 1,2 bilhão, respectivamente.

A capitalização da Petrobras, que consumiu R$ 22 bilhões, fez com que a participação da petrolífera na carteira de participação da empresa atingisse 46,9%. Mas, nesse caso, o BNDES e sua subsidiária foram envolvidos na operação para que o Tesouro Nacional pudesse ampliar o esforço fiscal em 2010, e não por uma razão estratégica de investimento.

Segundo fonte familiarizada com a política do banco, essa atitude agressiva do BNDESPar é lucrativa para o BNDES: a subsidiária responde por 22% dos ativos do banco, mas por 55% do seu lucro.

A carteira de investimentos da empresa, considerando as participações societárias, debêntures e fundos, apresenta concentração nos setores de petróleo e gás (36,5%), mineração (21,2%), energia elétrica (11,7%), alimentos (9,8%), telecomunicações (4,4%) e papel e celulose (4,3%).

veja também