MENU

Décimo terceiro: como usar o dinheiro extra de forma consciente?

Décimo terceiro: como usar o dinheiro extra de forma consciente?

Atualizado: Terça-feira, 1 Dezembro de 2009 as 12

Com a proximidade das férias e festas, chega também a temporada do dinheiro extra. Afinal, a primeira parcela do décimo terceiro salário deve ser paga até esta segunda-feira (30).

Segundo o Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), o abono de Natal, previsto para ser pago a quase 70 milhões de brasileiros, deve injetar R$ 84,8 bilhões na economia.

Em épocas de retomada econômica, após um período de dúvidas e incertezas por conta da crise, como usar esse dinheiro extra de forma consciente?

Dívidas em primeiro lugar

Quando o assunto é planejamento financeiro, a primeira dica é: livre-se das dívidas, principalmente aquelas mais caras, com altos encargos e taxas. Quem tem alguma pendência deste tipo deve, ao receber o dinheiro extra, pagar estas dívidas.

Segundo pesquisa da Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração e Contabilidade), 64% dos brasileiros têm a intenção de utilizar o 13º salário para o pagamento de dívidas já contraídas, principalmente as relativas ao cheque especial e ao cartão de crédito, que têm as taxas de juros mais altas do mercado.

De olho no início do ano

Para aqueles que não têm dívidas ou que já utilizaram uma parte do dinheiro extra para pagá-las, a dica é, então, poupar para as contas do início do ano. IPVA, IPTU, material escolar, entre outras, são despesas tradicionais da época e, com planejamento, é possível honrá-las sem ter de se estressar tanto e ainda aproveitar os descontos oferecidos para pagamentos à vista, por exemplo.

De acordo com a Fazenda paulista, o IPVA 2010 está até 12,2% mais barato para o dono de veículo, por conta das desonerações promovidas pelo Governo, que impactaram diretamente no valor venal do carro - utilizado para o cálculo do imposto.

Compras, férias e festas

Uma parte do abono de Natal também pode ser destinada à compra de presentes, organização das festas e planejamento das férias, pois ninguém é de ferro! Mas o ideal é estipular um percentual do dinheiro para este fim, para evitar que estas despesas comprometam todo o dinheiro extra.

Contas mentais

Antes de colocar em prática os planos para o uso da gratificação, avalie se você não usou o artifício das ''contas mentais''. De acordo com esta teoria, do economista comportamental Richard Thaler, as pessoas tendem a atribuir mais destinos ao mesmo montante do que ele é capaz de cobrir. Ou seja, muitas vezes, imaginamos que a nossa renda é suficiente para muito mais gastos do que ela realmente comporta.

Para evitar o ''desfalque'', faça uma planilha do uso do dinheiro extra separada da planilha habitual de orçamento. Coloque o quanto vai receber - já descontando os impostos - e o destino do dinheiro. Dessa forma, fica mais fácil estabelecer um percentual para cada intenção de gastos e ainda evitar que as despesas sejam maiores que a receita.

Por Patrícia Alves

veja também