MENU

Desemprego cresce pelo terceiro mês e é o maior desde setembro de 2007

Desemprego cresce pelo terceiro mês e é o maior desde setembro de 2007

Atualizado: Sexta-feira, 24 Abril de 2009 as 12

A taxa de desemprego no país registrou em março sua terceira alta consecutiva. Refletindo a piora da situação econômica mundial, o indicador passou de 8,5% em fevereiro para 9,0% no mês passado, na maior taxa desde setembro de 2007.

Segundo dados divulgados nesta sexta-feira, 24 de abril, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a taxa de março também representa alta na comparação com o mesmo mês de 2008, quando ficou em 8,6%. Em 2007, no entanto, a taxa para o mês foi de 10,2%.

Com a alta, o número de desempregados nas seis regiões metropolitanas pesquisadas ultrapassou a marca de dois milhões de pessoas, com 141 mil pessoas a mais sem emprego em relação a fevereiro. Se comparada a março de 2008, a população desocupada no mês passado teve acréscimo de 130 mil pessoas. Em março, a população ocupada ficou estatisticamente estável, segundo o IBGE, em 21 milhões de pessoas.

Os dados do Instituto mostram que houve estabilidade no emprego com carteira assinada no setor privado, em 9,3 milhões de trabalhadores (44,5% da população ocupada). Na comparação entre março e fevereiro, a estabilidade estendeu-se também a empregados sem carteira assinada (12,5%), militares e funcionários públicos (7,9%) e trabalhadores por conta própria (18,8%).

Rendimento

Apesar do aumento do desemprego, o rendimento médio real habitual dos trabalhadores ficou estável em março, em R$ 1.321,40. Na comparação com o mesmo mês do ano passado, o valor representa uma alta de 5%. Entre os trabalhadores com carteira assinada no setor privado, no entanto, o salário ficou 1,2% menor e caiu para R$ 1.261,80.

Ainda na comparação entre os meses de março e fevereiro, o rendimento médio real domiciliar per capita (R$ 850,81) cresceu 1,7%no mês e subiu4,5% no ano. Já a massa de rendimento real efetivo da população ocupada teve queda de 0,6% no mês, para R$ 27,4 bilhões.

veja também