MENU

Desemprego tem 3ª queda seguida e é o menor desde dezembro, mostra IBGE

Desemprego tem 3ª queda seguida e é o menor desde dezembro, mostra IBGE

Atualizado: Quinta-feira, 23 Julho de 2009 as 12

A taxa de desemprego no país registrou em junho sua terceira queda mensal consecutiva, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O desemprego no mês passado ficou em 8,1%, na menor taxa desde os 6,8% registrados em dezembro do ano passado. Em maio, o desemprego havia ficado em 8,8%.

Na comparação com junho de 2008, no entanto, o desemprego ficou quase estável: naquele mês, a taxa ficara em 7,9%.

A análise do IBGE mostra que, na passagem de maio para junho, houve alta de 4,1% no emprego entre militares e funcionários públicos estatutários. Nas demais categorias (empregados com e sem carteira de trabalho assinada no setor privado e trabalhadores por conta própria) houve estabilidade na mesma comparação.

O número de desempregados nas seis regiões metropolitanas pesquisadas foi calculado em 1,9 milhão - uma queda de 8,3% na comparação com o mês anterior. Já a população ocupada ficou em 21,1 milhões, uma alta de 0,8% frente a maio. Regionalmente, o IBGE destaca a queda de 12,5% no número de desocupados em São Paulo e a alta de 1,3% na população ocupada no Rio de Janeiro.

Na comparação entre meses de junho, a indústria extrativa e de transformação foi destaque negativo, com queda de 5,0% no emprego. Já educação, saúde e administração pública foi destaque positivo, com alta de 4,6% na mesma comparação.

Rendimento fica estável

A recuperação do rendimento médio real do trabalhador não acompanhou o crescimento do emprego na comparação entre maio e junho. Segundo o IBGE, a renda média ficou em R$ 1.312,30, estável frente ao mês anterior. Na comparação com junho de 2008, no entanto, houve alta de 3,0%.

O rendimento médio real domiciliar per capita teve comportamento semelhante - ficou estável frente a maio e cresceu 2,5% na comparação com junho do ano passado. Já a massa de rendimento efetivo dos ocupados ficou em R$ 27,8 bilhões, apontando alta nas duas comparações: 0,5% em relação a maio e 2,8% em relação a junho do ano passado.

veja também