MENU

Empresas lançam fundo de 100 milhões para investir no mar

Empresas lançam fundo de 100 milhões para investir no mar

Atualizado: Sábado, 16 Julho de 2011 as 10:14

O conjunto de empresas públicas e privadas que integra o Fórum Empresarial da Economia do Mar decidiu constituir um fundo de investimento que, numa primeira fase, terá um limitede 100 milhões de euros. O objectivo é angariar fundos que

financiem os projectos empresariais para desenvolver a economia do mar defendidos pelo estudo coordenado pelo economista Ernâni Lopes.

O presidente do Fórum do Mar, Bruno Bobone, explicou ao Diário Económico que, "alémde procurarmos investidores para os diversos projectos, decidimos que, na próxima semana, iremos constituir um fundo de investimento até 100 milhões de

euros, que irão sendo angariados à medida que forem apresentados os diversos projectos".

"Vamos chamando o capital à medida que os projectos forem avançando", revela Bruno Bobone. Este responsável acrescenta que, paralelamente, os empresários do Fórum do Mar vão iniciar já os passos burocráticos necessários para a constituição do fundo de investimento junto da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

O mesmo responsável adiantou ainda que de entre as dezenas de projectos empresarias de investimento defendidos no estudo de Ernâni Lopes sobre o designado ‘hipercluster' do mar emPortugal, o fundo de  investimento dará prioridade a três: um na área da produção de peixe; outro no segmento do turismo náutico, associado a diversas entidades autárquicas; e um terceiro no sector do armamento.

"Tendo em conta que alguns destes projectos são estratégicos para a economia de Portugal, não está vedada a subscrição do fundo a empresas e entidades públicas, antes pelo contrário, pelo que é normal que considerem ter alguma participação neste fundo. Até porque o corte de custos tem de ser acompanhado por estímulos à economia, senão ensinamos o burro a deixar de comer e ele morre", defende Bruno Bobone.

Este responsável admite que o valor de 100 milhões de euros inicialmente pensado para o arranque do fundo poderá ser aumentado.

"Tudo depende da adesão ao fundo. Mas omais importante nesta medida que tomámos é que estamos a pôr em prática todo o trabalho que encomendámos, de forma a que não se fique só pelo custo do estudo e pelo documento bonito que apresentámos.        

veja também