MENU

EUA brinca de Deus e dá sinal verde para a criação de vida artificial

EUA brinca de Deus e dá sinal verde para a criação de vida artificial

Atualizado: Sexta-feira, 17 Dezembro de 2010 as 9:19

A Casa Branca anunciou nesta quinta-feira que o campo controverso da biologia sintética ou da manipulação de DNA de organismos para criar novas formas de vida, traz riscos limitados e seu avanço deveria ser permitido. Um painel de especialistas reunido pelo presidente americano, Barack Obama, recomendou vigilância e autorregulação enquanto os cientistas procuram formas de criar novos organismos que pudessem resultar em inovações úteis em energia limpa, controle da poluição e medicina.

A Comissão Presidencial para o Estudo de Questões Bioéticas "concluiu que a biologia sintética é capaz de feitos significativos, mas limitados, com riscos limitados", segundo seu primeiro relatório.

"Os desenvolvimentos futuros podem despertar novas objeções, mas a Comissão não encontrou razões para endossar regulações federais adicionais ou uma moratória no trabalho neste campo por enquanto", acrescentou.

O painel de 13 cientistas, especialistas em ética e em políticas públicas foi criado por Obama no ano passado.

Sua primeira missão foi considerar a questão da biologia sintética, depois que o Instituto J. Craig Venter anunciou, em maio, ter desenvolvido a primeira bactéria autorreplicável controlada por um genoma sintético.

Para os críticos, a descoberta era o equivalente a "brincar de Deus", criando organismos sem o entendimento adequado sobre as consequências, perturbando a ordem natural.

Ao anunciar a criação da "primeira célula sintética", o chefe das pesquisas Craig Venter disse na época que "certamente mudou minha visão sobre as definições da vida e de como ela funciona".

Mas a comissão informou que a equipe de Venter não criou vida realmente, já que o trabalho envolveu, sobretudo, a alteração de uma forma de vida já existente.

veja também