MENU

Expropriação argentina seria para disfarçar crise, diz Repsol

Expropriação argentina seria para disfarçar crise

Atualizado: Terça-feira, 17 Abril de 2012 as 8:50

O governo de Cristina Kirchner decidiu expropriar 51% da YPF, filial argentina do grupo espanhol Repsol, para "tapar a crise social e econômica que o país enfrenta", afirmou o presidente da empresa, o espanhol Antonio Brufau,  em uma entrevista coletiva em Madri.

"Ao levantar a bandeira da expropriação e buscar um responsável na YPF, esconde a realidade", disse. Brufau declarou que as autoridades argentinas entraram nas instalações da Repsol YPF "sob o amparo de uma lei de Videla", em uma referência ao ex-ditador Jorge Videla.

"Essa atuação não é própria de um país moderno. O povo deste país merece outra coisa". A Repsol pedirá em uma arbitragem internacional uma compensação de mais de US$ 10 bilhões. "Estes atos não ficarão impunes", disse Brufau.

A empresa espanhola calculou sua participação de 57,4% na YPF em US$ 10 bilhões.

Brufau disse ainda que a campanha contra a empresa nas últimas semanas na Argentina foi "calculadamente planejada para provocar a queda das ações da YPF e facilitar a expropriação" com preço reduzido. "É ilegítimo e injustificável".

O governo argentino acusou a empresa de não cumprir os compromissos de investimentos no país. Kirchner enviou na segunda-feira ao Congresso um projeto de lei para declarar 51% da YPF de utilidade pública.

veja também