MENU

Fala de Obama e confiança do consumidor fazem agenda do dia

Fala de Obama e confiança do consumidor fazem agenda do dia

Atualizado: Terça-feira, 26 Julho de 2011 as 9:10

O dia começa com a reação dos agentes ao pronunciamento do presidente americano, Barack Obama, que, em entrevista ontem à noite, pediu aos congressistas um compromisso justo para cortar o déficit e elevar o teto do endividamento federal 'nos próximos dias'. O líder republicano, John Boehner, falou na sequência, reforçando o plano já proposto e descartado por Obama, que prevê corte de gastos, mas não endossa aumento de impostos. A leitura geral após as duas apresentações é que, por ora, nenhum progresso foi feito. E a reação, ainda na segunda-feira à noite, foi de queda do dólar na abertura dos mercados asiáticos.

O apelo de Obama vem conforme republicanos e democratas não chegam a um consenso sobre a elevação do teto do endividamento federal. Se até o dia 2 de agosto os EUA não receberem a autorização para gastar mais, o país entra em default.

Na agenda de indicadores, o dia começa com o desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) do Reino Unido no segundo trimestre.

Por aqui, a Fundação Getulio Vargas (FGV) abre a agenda com o Índice Nacional de Custo da Construção - M (INCC-M) e com a Sondagem do Consumidor de julho.

Depois o Banco Central (BC) entra em cena com a nota externa, que traz o déficit em conta corrente e o Investimento Estrangeiro Direto (IED) em junho.

Nos EUA, destaque para o índice de confiança do consumidor calculado pelo Conferece Board. A previsão é de que o indicador passe de 58,5 para 57,9.

Também vão ser divulgados a venda de imóveis novos, que deve mostrar estabilidade em junho, o índice de atividade do Federal Reserve (Fed) de Richmond e o índice de preço de imóveis da S&P Case Shiller para o mês de maio.

Amanhã, as atenções estão voltadas aos dados sobre o mercado de crédito no Brasil durante o mês de junho e à parcial do fluxo cambial em julho.

Na quinta-feira, o destaque fica com a ata do Comitê de Política Monetária (Copom). A semana acaba com o PIB dos EUA no segundo quarto do ano.          

veja também