MENU

Häagen-Dazs: invenção de um nova-iorquino

Häagen-Dazs: invenção de um nova-iorquino

Atualizado: Segunda-feira, 30 Agosto de 2010 as 9:53

Häagen-Dazs bem parece um sobrenome escandinavo ou alemão, perfeito para uma marca de sorvete. O nome , porém, sequer existe nos países escandinavos e foi inventado por um nova-iorquino, Reuben Mattus, em 1960, para batizar os sorvetes que fazia artesalmente.

Com as aquisições feitas pelas grandes multinacionais de alimentos, a Häagen-Dasz já mudou algumas vezes de mãos nesse quarenta anos. Hoje, a marca original de Nova York pertence globalmente a duas gigantes do setor de alimentos. A suíça Nestlé é dona da Häagen-Daz nos Estados Unidos e no Canadá, enquanto a multinacional americana General Mills é a detentora da marca em outros países, no Brasil inclusive.

No ano 200, quando a General Mills adquiriu a Pillsbury, a antiga controladora da Häagen-Dazs, a Nestlé já possuía uma sociedade com a empresa nos Estados Unidos. Na época, a Nestlé obteve o direito de comprar os 50% da Pillsbury na Häagen-Daz no mercado americano.

No Brasil, os sorvetes Häagen-Daz são importados pela General Mills de sua fábrica em Arras, na França. Segundo o diretor de marketing da mutinacional no Brasil, Waldemar Thiago Júnior, o fato de trazer o sorvete da Europa para o mercado brasileiro, o que encarece o produto no ponto final, não tira a competitividade da Häagen-Daz em relação aos seus concorrentes, como a própria Nestlé, que possuem fábricas no País . “Conseguimos uma boa equação de preços”, afirma.

Nos últimos anos, a Häagen-Daz vem ampliando sua presença no mercado brasileiro e já é a terceira marca mais vendida nos supermercados em São Paulo, segundo pesquisa da Nielsen. No Rio de Janeiro, a marca está entre as cinco mais vendidas nesse canal de vendas.

Apesar de já ter volume representativo de vendas, a General Mills não tem planos de construir uma fábrica no Brasil por enquanto. Como o sorvete é feito com ingredientes de alta qualidade, como creme de leite fresco, o que garante a consistência e o sabor dos produtos, a construção de uma fábrica exigiria elevados investimentos, além do desenvolvimento de uma cadeia local de fornecedores, diz Thiago Júnior. Mas o país seria uma dos locais analisados caso a multinacional considere investir em uma nova unidade de produção de sorvetes. “O mercado brasileiro possui uma grande potencial de crescimento”, acrescenta.

Postado por:Thatiane de Souza

veja também