MENU

Inadimplência das empresas atinge maior nível desde 2001, diz Serasa

Inadimplência das empresas atinge maior nível desde 2001, diz Serasa

Atualizado: Sexta-feira, 29 Janeiro de 2010 as 12

A inadimplência das empresas cresceu 18,8% no ano passado, na comparação com 2008. Trata-se do maior avanço desde 2001, segundo o Indicador Serasa Experian de Inadimplência das Empresas, divulgado nesta sexta-feira, dia 29.

Segundo a Serasa, a volatilidade provocada pela crise financeira internacional "atingiu, sensivelmente, as finanças das empresas brasileiras" no ano passado. "Com o real forte, recessão e baixo crescimento das economias globais, [as empresas] exportadoras sentiram mais os efeitos da crise."

Em 2009, o ranking de representatividade da inadimplência das empresas foi liderado pelos títulos protestados, com 41,5% de participação no indicador, contra 41,7% em 2008. Em seguida estão os cheques sem fundos, que representaram 38,6% da inadimplência das pessoas jurídicas no ano passado --contra 39,1% em 2008.

As dívidas com bancos representaram 19,9% da inadimplência em 2009, acima dos 19,2% verificados ao longo de 2008.

As dívidas com bancos tiveram um valor médio de R$ 4.569,30, o que resultou em 3,9% de elevação, ante 2008. Os cheques sem fundos, por sua vez, tiveram em 2009 um valor médio de R$ 1.736,13, com 9,4% de crescimento, quando comparado com 2008.

Os títulos protestados, por sua vez, tiveram no ano passado um valor médio de R$ 1.679,83, resultando em 26,2% de aumento, comparando-se com 2008.

Ajustes

As empresas precisaram fazer ajustes como cortes de funcionários e adiamento de investimentos, diante do cenário de incertezas trazido pela crise, que afetou a oferta de crédito, e da falta de opção de financiamento no mercado, segundo economistas da Serasa.

O setor exportador, por sua vez, foi o mais atingido pela crise. A recessão e baixo crescimento das principais economias globais, juntamente com a valorização do real, afetaram diretamente seus negócios.

Para 2010, a expectativa da Serasa Experian é que o crédito às empresas cresça num ritmo mais acentuado do que o do consumidor, com inadimplência em queda por todo o primeiro semestre.

veja também