MENU

Inadimplência de empresas fecha 2010 com queda de 5,3%

Inadimplência de empresas fecha 2010 com queda de 5,3%

Atualizado: Quinta-feira, 27 Janeiro de 2011 as 11:10

A inadimplência das empresas fechou 2010 com recuo de 5,3% sobre o ano anterior, registrando a maior queda em seis anos, segundo levantamento divulgado nesta quinta-feira (27) pela Serasa Experian.

Os economistas da Serasa Experian atribuem a queda da inadimplência no ano devido "à normalização da oferta de crédito e ao forte crescimento da atividade econômica". Também contribuíram para o resultado a maior disponibilidade de recursos oferecidos às empresas e as capitalizações, que permitiram a regularização do fluxo de caixa.

Já nas comparações mensal e anual, a inadimplência cresceu. Em dezembro, em relação a novembro, a alta foi de 3,0%. Já na comparação com o mesmo período de 2009, o aumento foi de 1,6%.

Por porte

As micro e pequenas empresas foram as que registraram a maior variação na inadimplência em dezembro, sobre novembro. Nas médias, a falta de pagamentos subiu 2,9%, e nas grandes, 2,7%. Na comparação anual, a inadimplência das micro e pequenas avançou 1,4%, e a das médias, 5,5%. Já a inadimplência das grandes empresas recuou 1,6%.

Em dezembro, a emissão de cheques sem fundos cresceu 6,1% sobre o mês anterior e os protestos registraram aumento mensal de 3,5%. Na contramão, as dívidas não honradas junto aos bancos caíram 2% em dezembro, sobre novembro.

Valor das dívidas

O valor médio das dívidas com bancos, em 2010, foi de R$ 4.713,87 - crescimento de 3,2% sobre o ano anterior. No mesmo período, os títulos protestados tiveram valor médio de R$ 1.652,49 - recuo de 4,8%. Os cheques sem fundos tiveram valor médio de R$ 2.053,68, resultando em 22,3% de aumento.

Perspectivas

Ainda que a expectativa seja de uma política monetária restritiva, a Serasa prevê que as empresas não passarão por momentos "tão críticos" como os de 2009. "O cenário é de um crescimento menor da economia, sem comprometimento da estrutura financeira dos negócios", disse a Serasa, por meio de nota.

veja também