MENU

Índice da bolsa de Atenas tinha alta de quase 6% nesta segunda (18)

Bolsas europeias operam em alta após eleições na Grécia

Atualizado: Segunda-feira, 18 Junho de 2012 as 9:10

As principais bolsas europeias operam nesta segunda-feira (18) em alta, aliviadas pelos resultados das eleições legislativas da véspera na Grécia, que abrem caminho para uma coalizão de governo favorável às reformas e a manter o país dentro da Eurozona.


Perto das 7h30, o índice da bolsa de Atenas subia 5,88%. No mesmo horário, em Londres, o índice FTSE 100 avançava 0,43%. Na abertura, chegou a avançar mais de 1%. O Dax, de Frankfurt, tinha alta de 0,83%, depois de subir 1,21% no início do pregão. O principal índice da Bolsa de Paris, o CAC 40, tinha valorização de 0,37% no mesmo horário, após abrir em alta de 1,08%.

Na bolsa de Madri, o comportamento do índice era diferente. Perto do mesmo horário, o Ibex-35, tinha alta de quase 2% no início do dia, caía 1,08%.
O partido de direita Nova Democracia, a favor da permanência do país na zona do euro, se declarou vencedor das eleições legislativas deste domingo (17) na Grécia, após projeções do governo apontarem a maioria, e propôs ao socialista Pasok um "governo de união nacional" para sair da crise econômica.


Segundo projeções do ministério do Interior baseadas em 18% dos votos apurados, a Nova Democracia obteve 29,5% dos votos, o que lhe garante 128 das 300 cadeiras do Parlamento, contra 27,1% para a esquerda radical Syriza (72 cadeiras). Os socialistas do Pasok aparecem na terceira posição, com 12,3% dos votos (33 cadeiras).


Antonis Samaras, dirigente do Nova Democracia, se proclamou vencedor e convidou as formações europeístas a formar um Executivo de salvação nacional. "O povo heleno votou hoje pela permanência do país na eurozona e a favor das forças políticas que trarão desenvolvimento e emprego", declarou à imprensa o dirigente conservador.


Pouco tempo depois, o chefe do partido da esquerda radical Syriza, Alexis Tsipras, reconheceu a derrota nas eleições legislativas.
Tsipras, no entanto, afirmou que continuará rejeitando o pacto de austeridade com a União Europeia e que será a principal força de oposição do país.
"Ainda que o Syriza não tenha sido o partido mais votado, é a primeira força de oposição contra o memorando [plano de austeridade]", disse o jovem esquerdista, que reiterou que acabar com as políticas de arrocho é a única saída para a Europa.


Permanência na zona do euro
A Nova Democracia afirma ser o "fiador" da permanência da Grécia na zona do euro, mas quer "renegociar" o memorando do plano de ajuste acertado com União Europeia (UE), Banco Central Europeu (BCE) e Fundo Monetário Internacional (FMI).
O memorando permitiu ao país obter um socorro financeiro para evitar a falência.


veja também