MENU

Influenciadas por impasse na Grécia, bolsas europeias operam em baixa

Bolsa europeias operam em baixa com impasse grego

Atualizado: Terça-feira, 24 Janeiro de 2012 as 8:23

As principais bolsas europeias abriram em queda nesta terça-feira (24), influenciadas pela lentidão das negociações sobre a dívida grega entre os bancos privados e o governo daGrécia. A reunião dos ministros das finanças da zona do euro serão retomadas nesta manhã.


No início das operações, perto das 7h (horário brasileiro de verão), o índice FTSE-100 dos principais valores da bolsa de Londres estava em baixa de 0,71%.

Em Frankfurt, o índice Dax perdia 0,86%. Em Paris, o índice CAC 40 baixava 0,82%. Em Madri, o IBEX 35 estava em queda de 0,68%.


Na véspera, os ministros de Economia e Finanças da zona do euro rejeitaram os termos de perdão de 50% da dívida grega propostos por seus credores privados e solicitaram juros mais baixos, anunciou o presidente do Eurogrupo, Jean-Claude Juncker.

"Os ministros pediram a Grécia que continue negociando para conseguir um nível de juros claramente inferior", declarou Juncker em entrevista coletiva ao término da reunião em Bruxelas.


O presidente do Eurogrupo esclareceu que os juros terão que situar-se abaixo de 3,5% antes de 2020, abaixo do nível de mais de 4% que esperavam conseguir os credores para os bônus a 30 anos.


Junker garantiu, no entanto, que ocorreu uma "maior convergência" nas negociações entre o governo grego e o Instituto Internacional de Finanças (IIF), que representa os bancos internacionais possuidores da maior parte da dívida grega nas mãos do setor privado.


"Alcançamos uma maior convergência e pedimos ao Executivo grego que alcance um consenso nos próximos dias", destacou, ressaltando que dito acordo deverá basear-se nos termos e condições fixados no último dia 26 de outubro sobre a participação privada no resgate grego.


Além disso, Juncker afirmou que o perdão de 50% da dívida nominal da Grécia deve levar ao cumprimento do objetivo de déficit de 120% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2020 e basear-se em um acordo voluntário, que trará aparelhado uma ajuda de 130 bilhões de euros.


Em paralelo, pediu ao Executivo de Lucas Papademos que estabeleça com a troika - o Banco Central Europeu, o Fundo Monetário Internacional e a Comissão Europeia - os parâmetros um novo programa de ajuste o mais rápido possível.
Juncker reiterou, por outra parte, que o lugar da Grécia está na eurozona e assegurou que não existem divergências a esse respeito entre os sócios europeus.
O comissário europeu de Assuntos Econômicos, Olli Rehn, concordou que Atenas deve iniciar reformas estruturais de maneira prioritária e definir as ações necessárias antes de obter o segundo programa de ajuda.

veja também