MENU

Item saiu de queda de 0,01% para baixa de 0,19% na 1ª prévia de junho

Preços de transportes caem mais, e inflação em SP desacelera

Atualizado: Quarta-feira, 13 Junho de 2012 as 8:17

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que mede a inflação da cidade de São Paulo, registrou variação de 0,28% na primeira prévia de junho. O número representa uma desaceleração em relação ao fechamento de maio, quando apresentou alta de 0,35%.


O resultado foi apurado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) e divulgado nesta quarta-feira (13). Já na comparação com a primeira quadrissemana de maio, o IPC teve forte desaceleração, pois o índice apresentou inflação de 0,55% naquela prévia.


O grupo habitação seguiu a tendência de ligeira alta, saindo de 0,09% no encerramento de maio para 0,13% na primeira prévia de junho. O grupo alimentação também seguiu a tendência de aceleração: passou de 0,74% em maio para uma inflação de 0,95% no atual levantamento - foi novamente o item que, na variação ponderada, mais contribuiu para o IPC no período, conforme previsão dos analistas.
Já transportes continuou em queda, com a pressão de baixa exercida pela redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para os veículos. Saiu de uma deflação de 0,01% no final do mês passado para uma deflação de 0,19% no início de junho - foi o item que, na variação ponderada, menos contribuiu para a inflação.


O item despesas pessoais apresentou forte desaceleração e menor pressão sobre o índice, conforme esperado pelos economistas, após o reajuste nos preços dos cigarros que influenciou o IPC em abril e maio. Depois de fechar o mês de maio com inflação de 0,81%, recuou para 0,23% na primeira prévia de junho.


O índice saúde apresentou 0,76% no fechamento de maio, ainda por causa do aumento nos preços dos medicamentos que teve impacto nos últimos meses, e agora baixou para 0,56%. O segmento vestuário seguiu em queda. Após encerrar maio com uma deflação de 0,12%, teve uma deflação de 0,41% na primeira pesquisa de junho.


Por fim, o segmento educação teve ligeira alta, mas continuou com pequena influência na inflação. Depois de terminar o mês de maio com 0,05%, subiu para 0,08% nesta primeira parcial de junho.

veja também