MENU

Juro baixo atrai clientes para o penhor de joias

Juro baixo atrai clientes para o penhor de joias

Atualizado: Segunda-feira, 8 Fevereiro de 2010 as 12

O maior obstáculo para o consumidor interessado em contratar um empréstimo é a taxa de juros. A tarifa do cheque especial ultrapassa 9% ao mês e a do crédito pessoal beira os 20%. Diante deste cenário, o penhor de joias, popular em meados do século passado, volta a ser uma opção para levantar dinheiro rápido com juros baixos e sem burocracia. A taxa mensal não ultrapassa 2%. 

Ainda pouco difundido nas novas gerações, a prática cresce no Brasil. No ano passado, houve um aumento de 6,3% no volume de recursos emprestados por meio do penhor joias na comparação com 2008 – foram emprestados R$ 5,3 bilhões e efetuados 8,5 milhões de contratos em 2009. Como a Caixa Econômica Federal fica com o bem como garantia, a inadimplência é muito baixa, em torno de 0,2%. 

Segundo Jorge Pedro de Lima Filho, gerente nacional de aplicação de pessoa física da Caixa, a procura maior se explica pelo impacto da crise financeira e “pelo aumento do [preço do] ouro, o que permite maiores valores de empréstimos”. Lima Filho afirmou ainda que a procura pelo penhor de joias sempre aumenta no primeiro semestre. 

- Entre os meses de março e julho o volume de contratação cresce devido ao aumento de despesas do primeiro trimestre do ano, caindo no final do ano em consequência do décimo terceiro. 

Caso o cliente não tenha o dinheiro para retirar a joia, ele pode renovar o contrato com o pagamento da taxa de juros proporcional ao número de dias da renovação. Segundo a Caixa, a joia só vai para leilão se não houver pagamento dos juros 30 dias após a última renovação. Se o consumidor resolver renovar o empréstimo dentro deste prazo, haverá cobrança de uma multa correspondente aos juros de mora de 1% ao mês mais os juros dos 30 dias anteriores.

Ranking dos juros

Compare as taxas cobradas nas principais modalidades de crédito para pessoa física*

Modalidade Variação Penhor de joias de 1,68% a 2,05% ao mês Cheque especial de 1,66% a 9,14% ao mês Crédito pessoal de 0,92% a 19,61% ao mês Aquisição de automóveis 0,46% a 4,34% ao mês Aquisição de bens 0,58% a 7,61% ao mês

veja também