MENU

Juros bancários diminuem e fecham a 34,3%

Juros bancários diminuem e fecham a 34,3%

Atualizado: Terça-feira, 23 Março de 2010 as 12

Os juros médios cobrados pelos bancos diminuíram 0,8% em fevereiro, na comparação com janeiro, tendo ficado em 34,3% ao ano, segundo dados divulgados nesta terça-feira (23) pelo BC (Banco Central). O resultado é o segundo menor já registrado pelo BC - o recorde foi em dezembro de 2007, quando os juros ficaram em 33,8%.

Para os consumidores, a taxa dos empréstimos ficou em 41,9% ao ano, e para as empresas, os bancos cobraram, em média, 25,9%. O valor é o menor já registrado pelo BC, desde o início da série histórica em julho de 1994.

Com a redução dos juros, os brasileiros pediram mais dinheiro emprestado que no ano passado. As operações de empréstimo somaram R$ 1,4 trilhão em fevereiro, um aumento de 0,8% em relação a janeiro e de 16,8% nos últimos doze meses.

As taxas de juros do cheque especial, o limite que o banco oferece aos correntistas, registraram queda de 1,6% em fevereiro ante janeiro, mas continuam perto de 160% ao ano (159,5%).

Em doze meses, a queda foi de 7,2%. Os juros do cheque especial são os mais altos do mercado. No crédito pessoal, que envolve todas as modalidades de empréstimos, os juros ficaram em 43,8%, queda de 1% em relação a janeiro.

Em janeiro, os juros bancários haviam registrado alta e analistas acreditavam em elevação na taxa básica de juros, a Selic, pelo Copom (Comitê de Política Monetária) já na reunião de março, o que não ocorreu. A Selic foi mantida em 8,75%, no menor nível da história, desde o ano passado. Ela é usada como referência por todo o mercado, em especial, os bancos, que fazem os ajustes dos juros com base na Selic.

Analistas do mercado projetam que a taxa seja revista para cima ainda neste semestre, como forma de controlar a inflação. O indicador usado pelo governo, o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), fechou a primeira prévia de março em aceleração de 0,55%.

Por Mariana Londres

veja também