MENU

Justiça fará nova tentativa de vender fazenda de ex-dono da Vasp

Justiça fará nova tentativa de vender fazenda de ex-dono da Vasp

Atualizado: Terça-feira, 30 Novembro de 2010 as 2:06

A venda da fazenda Piratininga, do empresário Wagner Canhedo, ex-dono da falida Vasp, será feita por meio de propostas diretas à Justiça, e não mais por leilão.

A decisão foi tomada após reunião realizada nesta segunda-feira (29) entre representantes do Ministério Público do Trabalho, do Sindicato dos Aeroviários e Sindicato dos Aeronautas e da juíza Elisa Maria Secco Andreoni, do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT).

"Assim decidiu-se sobre a realização da audiência, onde propostas serão analisadas, visando evitar fraudes e garantir os direitos dos envolvidos", afirmou o tribunal, por meio de nota.

A mudança foi definida diante do frustrado leilão realizado na última quarta-feira. Na ocasião, o empresário Francisco Gerval Garcia Vivone, dono do desconhecido grupo agropecuário Conagro, arrematou o imóvel pelo valor mínimo de R$ 430 milhões, mas sustou o cheque dado como entrada dois dias depois.

Os envelopes com as propostas serão abertos no dia 9 de dezembro, às 15h, ocasião em que os interessados deverão comparecer para ratificar eventuais ofertas ou cobrir propostas de outros interessados. A chamada Vara Vasp, criada pelo TRT da Barra Funda, na capital paulista, para cuidar do caso, já está aceitando ofertas, que poderão ser entregues até uma hora antes da abertura dos envelopes.

O dinheiro da venda será destinado ao pagamento de dívidas trabalhistas da Vasp com cerca de 8 mil ex-funcionários. No total, os débitos trabalhistas chegam a R$ 1,5 bilhão, segundo cálculos de Francisco Gonçalves Martins, advogado que representa o Sindicato dos Aeroviários no Estado de São Paulo.

A ação dos trabalhadores se arrasta desde 2005, ano em que os voos da Vasp foram suspensos e Canhedo entrou com pedido de recuperação judicial. Em 2008, a companhia aérea teve a falência decretada. Nesse novo formato, o valor mínimo de R$ 430 milhões determinado pela Justiça para o leilão passa a ser apenas referência.    

veja também