MENU

Mantega minimiza resultado da inflação e diz que a meta será cumprida

Mantega minimiza resultado da inflação e diz que a meta será cumprida

Atualizado: Sexta-feira, 6 Maio de 2011 as 11:31

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, minimizou nesta sexta-feira (6) o resultado da inflação de abril, que ficou em 0,77% pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo).

Ele disse que, a partir de maio, os preços deverão voltar a cair devido à queda recente nos preços das commodities e dos combustíveis no mercado internacional.

- Eu diria que nós já estamos num ponto de inflexão, portanto, revertendo, num momento que muda a direção da inflação para baixo. Então, se continuarmos assim, se as commodities continuarem caindo no mercado internacional, os alimentos certamente vão continuar caindo no Brasil, combustíveis vão continuar caindo, nós já podemos respirar em maio, esperando uma inflação do IPCA em torno de 0,45% a 0,50%.

Nos últimos 12 meses, o índice ficou em 6,51%, acima do teto da meta do governo, de 6,50%, para 2011. Mantega disse que o importante é o cumprimento da meta até dezembro.

- O que interessa para nós é a inflação de janeiro a dezembro, isso é o que interessa. E essa não vai passar do limite da meta. É olhar para a frente e não olhar para trás.

Considerando-se apenas abril, houve leve desaceleração na comparação com março. Os combustíveis, no entanto, sofreram forte alta - batendo no bolso do consumidor. Mantega disse que o início da safra do álcool, a partir deste mês, já deverá baixar o preço da gasolina nas bombas.

- O preço do etanol ao produtor já caiu bastante e logo mais chegará na bomba de gasolina e portanto já teremos uma queda do preço da gasolina e do etanol no mês de maio.

A meta de inflação brasileira é estabelecida pelo Banco Central. Para este ano o centro da meta é de 4,5%. Chama-se centro porque há uma “margem de segurança”, que permite ao índice ficar dois pontos percentuais acima ou dois abaixo. Dessa forma, o índice ainda estará “sob controle” se ficar entre 2,5% e 6,5%.

Os preços dos combustíveis em abril tiveram uma forte aceleração: a gasolina marcou um avanço de 6,26% (contra 1,92% em março) e o reajuste do etanol foi às alturas – com uma alta de 11,20% no mês passado (contra 10,92% um mês antes).

Inflação é o aumento geral de preços na economia, ou o movimento para cima tanto dos preços de alimentos como de outros itens – como energia, combustíveis e serviços.

Banco Central

Nesta quinta-feira (5), em audiência pública na Comissão Mista de Orçamento do Congresso, o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, também disse que a inflação deve começar a cair a partir de maio e deve ficar dentro da meta no fim do ano. Tombini disse ainda que o brasileiro deve aproveitar esse momento para poupar – aproveitando a alta dos juros- e adiar o consumo.

veja também