MENU

Mesmo com o dólar em baixa é necessário ter cuidado com os gastos

Mesmo com o dólar em baixa é necessário ter cuidado com os gastos

Atualizado: Quarta-feira, 13 Agosto de 2008 as 12

Viagem ao exterior e muitas compras. A desvalorização do dólar em relação ao real que, inclusive, chegou a menos de R$ 1,60 em julho, está se refletindo no bolso do consumidor e todo cuidado nessa hora é pouco. Isso porque com a moeda em baixa, muitos brasileiros se preparam para a tão sonhada viagem internacional.

Afinal, não é sempre que o sonho pode custar mais barato. E é muito difícil resistir a tentação de visitar outros lugares do mundo e não trazer as famosas lembrancinhas, muitas vezes, pequenas no tamanho e grandes em seu valor e preço final.

Por outro lado, para quem deseja ficar no país em plena época de férias, o prêmio da ocasião na conta ajuda as famílias a programarem viagens, passeios, e é claro: fazerem compras. Isso porque, a apreciação do real reduziu desde os preços de produtos populares até artigos de luxo, alterando os gastos de quem freqüenta a 25 de Março ou a Oscar Freire, ruas comerciais tradicionais na capital paulista, conhecidas por sua popularidade e seu luxo, respectivamente.

Preços com até 50% de desconto ou redução do valor das peças para a troca da coleção estão estampadas em vitrines em todo o páis. Há promoção nas roupas, nas bebidas, nos souvenires como porta-retratos e relógios de pulso e paredes, e perfumes, entre tantos outros artigos. E com oferta e procura equilibradas é quase sempre um negócio a mais que pode ser fechado.

Só que é preciso atenção com os gastos excessivos, pois, caso contrário, é capaz do sonho proporcionado com o dólar em baixa virar pesadelo. Isso significa um susto na hora de abrir a fatura do cartão de crédito, principalmente para quem for viajar ao exterior. Na ansiedade de aproveitar ao máximo a ocasião, a conta para pagar na volta quase sempre costuma tirar o sono dos mais desprevenidos. Pior ainda é se a especulação dos especialistas se tornar realidade, ou seja, o dólar baixar mais um pouquinho para depois recuperar o fôlego com força total.

O aviso se faz verdade também para quem fica no Brasil e abusa na hora de fazer compras, pois nesses casos, independente de se usar ou não o cartão de crédito, é preciso também atenção para não entrar no vermelho. Em outras, palavras, gastar mais do que permite o orçamento.

A melhor coisa nessa hora é saber fazer a gestão financeira das contas pessoais e, nos caso dos empreendedores, das profissionais também, para evitar que o susto se alastre ainda mais. Isso vale para aqueles donos de negócios acostumados a não ter pró-labore e a utilizar os recursos da empresa para pagar as contas pessoais.

Controlar o extrato ao menos uma vez por semana, ter em mente o saldo da conta e não esquecer o quanto se tem efetivamente para gastar, utilizando para isso anotações rápidas em uma caderneta, são cuidados mínimos, porém importantes nessa época de férias, que vem acompanhada de tempo e oportunidade para gastar.

E não se esqueça, quando voltar ao trabalho, o próximo pagamento só virá daqui a um mês e, por isso, saber gerir as finanças é fundamental para não desequilibrar todo o orçamento para o resto do ano.

Dora Ramos, autora desse artigo, atua no mercado contábil-administrativo há mais de vinte anos. É fundadora e contadora responsável pela Fharos Assessoria Empresarial.

Fontes: Imagepress

veja também