MENU

Minha Casa, Minha Vida terá execução total até 2012, diz Cbic

Minha Casa, Minha Vida terá execução total até 2012, diz Cbic

Atualizado: Sexta-feira, 23 Outubro de 2009 as 12

Até o final do ano que vem, será contratada a construção de 1 milhão de moradias do programa Minha Casa, Minha Vida. Grande parte será entregue em 2011 e apenas uma parte residual ficará para entrega em 2012.

A afirmação foi feita pelo vice-presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic), José Carlos Martins, depois de encontro com dirigentes da Caixa Econômica Federal, na tarde de ontem, 22 de outubro.

Segundo ele, o vice-presidente da Caixa, Jorge Hereda, e a superintendente de Habitação do banco, Bernadete Coury, apresentaram números da execução do programa que o deixaram otimista. "Nos deixa mais otimistas quanto ao andamento dos financiamentos, embora haja todo um processo burocrático, um arcabouço legal, que impede maior agilidade".

Ele ressaltou que, apesar dos mais de três meses de greve dos funcionários da Caixa, desde que o programa foi efetivamente lançado, em abril deste ano, a Caixa já contratou mais de 89 mil unidades por todo o país e avalia a viabilidade técnica de mais 355 mil novas moradias projetadas. "Sentimos a disposição dos dirigentes da Caixa no sentido de acelerar as contratações."

Anunciado em março, o programa Minha Casa, Minha Vida prevê a construção de 1 milhão de moradias para reduzir o deficit habitacional brasileiro, estimado em torno de 7 milhões de moradias, com investimentos de R$ 34 bilhões ? R$ 25,5 bilhões dos cofres da União, R$ 7,5 bilhões do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e R$ 1 bilhão do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Do total de moradias, 400 mil serão destinadas a trabalhadores com renda até três salários mínimos, 200 mil casas para quem ganha entre três e quatro salários, 100 mil casas para aqueles com renda de quatro a cinco salários, 100 mil para os que recebem entre cinco e seis salários mínimos e 200 mil moradias para trabalhadores com renda de seis a dez salários.

Os financiamentos serão para imóveis de até R$ 130 mil nas regiões metropolitanas de São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília. Esse teto cai para R$ 100 mil nas outras capitais e nos municípios com mais de 500 mil habitantes. O teto diminui para R$ 80 mil nos financiamentos habitacionais para os demais municípios.

veja também