MENU

Mulher francesa diz que também foi assediada por Strauss-Kahn

Mulher francesa diz que também foi assediada por Strauss-Kahn

Atualizado: Segunda-feira, 16 Maio de 2011 as 10:47

PARIS - Um advogado francês disse nesta segunda-feira que sua cliente estava considerando apresentar uma queixa contra o chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, por um suposto incidente sexual há quase uma década.

O advogado David Koubbi disse que sua cliente Tristane Banon, uma escritora, poderia apresentar uma queixa por um suposto incidente que ocorreu quando ela foi entrevistar Strauss-Kahn, o ex-ministro das Finanças francês, em um apartamento.

"Estamos considerando apresentar uma queixa", disse Koubbi em uma mensagem de texto à Reuters.

Strauss-Kahn foi acusado em Nova York no final de semana de assediar sexualmente uma camareira de hotel. Seu advogado afirmou que o chefe do FMI se declararia inocente.

O suposto ataque contra Banon ocorreu em 2002. Segundo a lei francesa, acusações de assédio sexual devem ser apresentadas dentro de três anos, mas acusações de estupro podem ser registradas até 10 anos após a agressão.

Banon não apresentou as queixas na época em que o suposto crime ocorreu porque sua mãe, uma vereadora local do Partido Socialista, convenceu a escritora a não instaurar um processo contra um político que era um amigo da família.

Ela disse à TV francesa durante o final de semana que agora se arrependia da decisão.

(Reportagem de Thierry Leveque)

veja também