MENU

Na crise, além do desemprego, crédito consignado pode se tornar problema maior para trabalhador

Na crise, além do desemprego, crédito consignado pode se tornar problema maior para trabalhador

Atualizado: Sexta-feira, 16 Janeiro de 2009 as 12

Na crise, além do desemprego, crédito consignado pode se tornar problema maior para trabalhador

A crescente onda de demissões que vem atingindo os trabalhadores do setor da indústria do país pode significar uma dor de cabeça ainda maior do que apenas a perda do emprego. Estimulados pelo bom momento econômico brasileiro dos últimos anos e pelas baixas taxas de juros, alguns trabalhadores recorreram ao crédito consignado, descontado diretamente do contra-cheque, para contratar empréstimos.

Sem fonte de renda para quitar a dívida, antes descontada em folha, a alternativa para não ficar inadimplente é negociar, na avaliação do superintendente de projetos especiais da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Jorge Higashino.

"Pode ser que, em alguns casos, a empresa se comprometa de realizar [o restante do pagamento] até o final e outros casos em que não há nenhum compromisso e a empresa informa ao banco que houve a rescisão de contrato com o empregado, cabendo ao banco se entender com esse devedor", explicou Higashino à Agência Brasil.

Para ele, a melhor alternativa seria o trabalhador ter feito uma reserva para momentos de dificuldade. Mas se ele não a fez, aconselha, o trabalhador deve procurar o banco para buscar uma alternativa que satisfaça às duas parte.

"O banco pode sentar com a pessoa que acabou de perder o emprego e estudar uma forma de dilatação de prazo, afim de possibilitar ao empregado saldar a dívida. Outra forma é o próprio empregador garantir [a quitação da dívida]. Tudo depende da forma como foi firmado o contrato", disse Higashino.

Ele não descartou a possibilidade de o banco suspender temporariamente o pagamento das parcelas após a demissão do trabalhador. "É só negociar. Depende de banco a banco a forma de trabalhar e o relacionamento que a pessoa vinha mantendo com a instituição financeira e as soluções diversas para solução do problema", concluiu Jorge Higashino.

veja também