MENU

Na crise, investimento estrangeiro direto no país diminuiu 42,41% em 2009

Na crise, investimento estrangeiro direto no país diminuiu 42,41% em 2009

Atualizado: Quinta-feira, 21 Janeiro de 2010 as 12

O investimento estrangeiro direto (IED) no setor produtivo somou US$ 25,949 bilhões no ano passado, 42,41% abaixo do recorde histórico de US$ 45,06 bilhões contabilizados em 2008, como mostra o Relatório do Setor Externo, divulgado hoje (20) pelo chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Altamir Lopes.

Ele considera, no entanto, que a entrada de investimento estrangeitro foi "bastante razoável", considerando-se que o mundo inteiro estava em crise. Altamir ressaltou que, com a melhora do cenário econômico, o BC trabalha com a expectativa de que o volume de recursos neste ano retorne ao patamar de 2008.

O relatório do BC mostra também que o saldo de conta corrente (formado por balança comercial, serviços e transações financeiras) foi negativo em US$ 24,334 bilhões (1,55% do PIB). Apesar disso, foi melhor que em 2008 quando o déficit fechou em US$ 28,192 bilhões (1,72% do PIB).

De acordo com Lopes, a redução é explicada em parte pela crise financeira mundial, uma vez que houve menores transferências de lucros e dividendos para o exterior. As empresas estrangeiras instaladas no país lucraram menos em 2009, e as remessas de lucros caíram de US$ 25,2 bilhões, em 2008, para US$ 33,87 bilhões, no ano passado.

O economista do BC acredita, porém, que com a retomada da atividade econômica e a projeção de maior crescimento nas importações que nas exportações, o Brasil deve registrar déficit recorde de conta corrente externa neste ano - algo ao redor de US$ 40 bilhões. Aí estão incluídas, também, as maiores remessas de juros e dividendos e mais gastos com viagens ao exterior, por conta, principalmente, da valorização do câmbio.

A conta de serviços em 2009 registrou saídas líquidas de US$ 19,3 bilhões, com crescimento de 15,4% na comparação com 2008, e as viagens internacionais contribuíram com gastos de US$ 5,6 bilhões no ano. Outros itens como transportes, computação e royalties também ajudaram na formação do déficit, mas a rubrica que pesou mais foi aluguel de equipamentos, com despesas de US$ 9,4 bilhões, que cresceram 20,3% em relação ao ano anterior.

Por: Stênio Ribeiro

veja também