MENU

Índice que reajusta aluguel sobe 0,28% na primeira prévia de setembro

Índice que reajusta aluguel sobe 0,28% na primeira prévia de setembro

Atualizado: Sexta-feira, 11 Setembro de 2009 as 12

O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M), usado como referência para reajustes de contratos de aluguel, teve alta de 0,28% na primeira leitura de setembro. O resultado, divulgado hoje, 11 de setembro, pela Fundação Getulio Vargas (FGV), superou o observado no mesmo período do mês anterior, quando houve queda de 0,68%. No ano, o índice acumula queda de 1,75% e nos últimos 12 meses, de 0,54%.

O movimento foi influenciado pelos preços por atacado, cuja taxa ficou em 0,39%, depois de ter registrado queda de 1,09%. Os bens finais passaram de -1,02% para -0,86%, com a contribuição de alimentos processados (de -2,53% para 1,14%). Os bens intermediários reverteram a queda de 0,09% do mês anterior e variaram 0,43% neste levantamento, puxados pelos materiais e componentes para a manufatura (de –0,55% para 0,73%). As matérias-primas brutas tiveram queda menos intensa (de -2,81% para -0,35%), influenciada pela soja em grão (de -5,97% para 0,89%), pelo minério de ferro (-20,77% para -2,02%) e pela laranja (de -15,58% para 8,67%). Em sentido oposto, foram registrados decréscimos no leite in natura (de 6,96% para 0,86%), arroz em casca (de 4,80% para -4,17%) e nos bovinos (de 0,18% para -1,26%).

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) subiu 0,10%, depois de ter registrado variação de 0,01%. Ficaram mais caros os alimentos (de -0,48% para 0,39%), com destaque para hortaliças e legumes (de -4,87% para 4,16%), frutas (de 2,01% para 6,56%) e carnes bovinas (de -0,99% para 0,41%); e as despesas diversas (de -0,08% para 0,13%), especialmente mensalidade para TV por assinatura (de -0,07% para 0,90%).

Já os índices relativos aos demais grupos tiveram queda: vestuário (de 0,19% para -1,19%); transportes (de 0,34% para 0,12%); educação, leitura e recreação (de 0,13% para -0,07%); habitação (de 0,31% para 0,13%) e saúde e cuidados pessoais (de -0,04% para -0,06%).

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) passou de alta de 0,30% para estabilidade (0,00%). O índice que representa o custo da mão de obra não apresentou variação neste levantamento, depois de ter subido 0,60% na leitura anterior. Os preços de materiais, equipamentos e serviços tiveram queda de 0,01%, depois de leve alta de 0,02%.

Para calcular a primeira prévia do IGP-M de setembro, foram coletados preços no período entre 21 e 31 de agosto.

veja também