MENU

Opep determina corte na produção para tentar conter queda no preço do petróleo

Opep determina corte na produção para tentar conter queda no preço do petróleo

Atualizado: Segunda-feira, 27 Outubro de 2008 as 12

Opep determina corte na produção para tentar conter queda no preço do petróleo

Em uma tentativa de recuperar os preços do petróleo no mercado mundial, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) decidiu nesta sexta-feira, dia 24 de outubro, reduzir a produção em 1,5 milhão de barris de petróleo por dia - o que representa 3% da produção mundial. De acordo com o site da organização, a medida vale a partir de 1º de novembro e foi tomada em reunião dos países membros do grupo realizada em Viena.

Por enquanto, a medida não surtiu efeito: na tarde de hoje, a commodity apresentava queda de 5,8%, com preço de US$ 62,05. O preço do petróleo, que em julho passou de US$ 147, ontem fechou a US$ 65,92 no mercado de futuros de Londres.

O corte na produção será determinado de acordo com a produção de cada país. A Arábia Saudita vai deixar de produzir 466 mil barris por dia, o Irã vai reduzir a produção em 199 mil barris e os Emirados Árabes vão cortar a produção diária em 134 mil barris. Os países membros garantiram, no entanto, que vão assegurar o fornecimento de petróleo bruto para o mercado no volume exigido pelos consumidores.

A queda no preço do petróleo registrada nos últimos meses foi considerada pela Opep como um "colapso dramático sem precedentes em velocidade e magnitude".

"Isso pode levar a níveis que possam pôr em perigo muitos projetos existentes e levar ao cancelamento ou atraso considerável de outros, possivelmente resultando em uma escassez no abastecimento", alerta a entidade.

A organização considerou que a diminuição na procura de petróleo é resultado do excesso de fornecimento de óleo bruto no mercado. "Além disso, as previsões indicam que a queda na demanda irá se aprofundar, apesar da aproximação do inverno no hemisfério norte", prevê a Opep.

A decisão será revista em um encontro marcado para o dia 17 de dezembro em Oran, na Argélia. Nesse meio tempo, a Opep irá monitorar o mercado para verificar o cumprimento das determinações.

veja também